Cascais acolhe mais 150 refugiados ucranianos

Cascais vai acolher mais 150 refugiados ucranianos que chegaram esta segunda-feira ao aeroporto de Figo Maduro num voo humanitário proveniente de Varsóvia (Polónia), que transportava ainda 14 animais de estimação a bordo, revelou a autarquia.

“É uma afirmação dos nossos valores democráticos, da nossa identidade, da nossa humanidade, que possamos hoje, no dia 25 de Abril, acolher estes cidadãos em fuga da nova cortina de ferro que desce sobre a Europa. Estamos na ponta mais ocidental do velho continente, mas, tal como na ponta Leste, na Ucrânia, estamos juntos no combate pela liberdade e pela dignidade”, disse o presidente da câmara municipal, Carlos Carreiras.

Num momento em que já foram atribuídos mais de 33 mil pedidos de proteção temporária a cidadãos ucranianos e a cidadãos estrangeiros que residiam naquele país desde a invasão pelas tropas russas, o autarca de Cascais sublinhou que os “convidados ucranianos” podem agora reconstruir a sua vida face ao flagelo provocado pela guerra nos últimos dois meses.

O voo com estatuto humanitário foi fretado pela fundação LAPS, fundada pelo empresário italiano Lapo Elkann, que é presidida em Portugal pela sua mulher, Joana Lemos.

“Além de salvar estas vítimas da guerra, o nosso objetivo é despertar consciências e apelar a que outros possam também contribuir. À semelhança das várias iniciativas solidárias de combate à pandemia, a Fundação LAPS quer ajudar estas pessoas a reconstruírem uma vida digna, sendo que isto só foi possível também graças ao dinamismo e à proatividade da câmara municipal de Cascais”, referiu.

Segundo a nota enviada à comunicação social, o voo foi operado por um avião Boeing 737 da companhia ucraniana SkyUp, que destacou a importância de poder continuar a trabalhar durante a guerra.

“Não estamos só a ajudar pessoas a fugir do conflito e a viajar para Cascais. Ao mesmo tempo, com o apoio da Fundação LAPS, os funcionários da companhia podem receber salários e pagar impostos ao Estado”, disse Viktor Puharskyy, CEO da Avia Services & Logistics.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de dois mil civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A guerra causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, das quais mais de 5,16 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU – a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Recomendadas

Ginasta russo banido por um ano por usar símbolo pró-Putin em competição ganha pela Ucrânia

Ivan Kuliakd deve também devolver a medalha e reembolsar o prémio em dinheiro de 500 francos suíços (cerca de 477 euros) e pagar uma contribuição dos custos do processo no valor de 2.000 francos suíços (1908 euros). O russo pode pedir o recurso nos próximos 21 dias.

Human Rights Watch denuncia tortura e execuções de civis pelas forças russas

A organização não-governamental (ONG) Human Rights Watch (HRW) denunciou hoje execuções sumárias, torturas e outros abusos graves cometidos sobre civis pelas forças russas que controlam grande parte das regiões ucranianas de Kiev e Chernihiv.

‘Coronel Putin’: presidente russo está a comandar invasão militar da Ucrânia

As fontes adiantam que Putin ainda trabalha em estreita colaboração com o general Valery Gerasimov, comandante das Forças Armadas russas.
Comentários