Cascais aposta na produção renovável e dinamiza criação de comunidades de energia no concelho

A autarquia liderada por Carlos Carreiras aposta na inovação para reduzir a fatura energética, aumentar o conforto térmico e caminhar para a neutralidade carbónica. Projeto conta com a parceria da GreenVolt e é apresentado esta segunda-feira, 19 de setembro.

Reduzir a fatura da energia da população, aumentar o conforto térmico das famílias e caminhar para a neutralidade carbónica são os objetivos das comunidades de energia que estão a ser criadas no concelho de  Cascais.

O projeto assenta numa parceria entre a Câmara Municipal de Cascais, a GreenVolt e a Santa Casa de Misericórdia de Cascais e será apresentado esta segunda-feira, dia 19 de setembro, às 15h00, na Casa das Histórias Paula Rego.

As comunidades de energia são entidades coletivas em que qualquer cidadão pode participar para vender ou comprar energia produzida por fontes renováveis locais. Por outras palavras: a instalação de painéis solares fotovoltaicos, cada vez mais comuns nas coberturas das estruturas do concelho, permitem vender aos vizinhos mais próximos o excedente de produção, a preços mais competitivos quando comparados aos preços praticados pela rede.

“As escolas do concelho irão produzir energia através de painéis solares instalados nas suas coberturas e o excedente de produção será vendido a preços muito competitivos (quando comparado às tarifas praticadas pelo mercado) às famílias residentes na proximidade que também integram a comunidade de energia”, adianta a autarquia em comunicado. No oposto, “caso as famílias tenham a sua própria instalação solar, podem vender a energia à autarquia ou a outros membros”.

Em comunicado, a CMC adianta que a autarquia, os cidadãos, as empresas e outros parceiros já estão a implementar de forma pioneira alguns projetos piloto de produção de energia renovável local no concelho.  Exemplos:

PROGRAMA COMUNIDADE DE ENERGIA INCLUSIVA

A Câmara Municipal de Cascais apoia o Programa Comunidade de Energia Inclusiva, promovido pela Santa Casa da Misericórdia e a Energia Unida (Greenvolt), que visa fomentar a inclusão social e o combate à pobreza energética. Consiste num sistema de autoconsumo partilhado, com a partilha de energia excedente da creche de Bicesse da Santa Casa da Misericórdia para famílias em situação de vulnerabilidade social.

CASCAIS SMART POLE 

O Cascais Smart Pole, financiado pelo fundo EEA Grants, é um espaço urbano de experimentação living-lab, em que a interação e participação de todos permitirá caminhar no sentido da neutralidade carbónica. Tem várias frentes interligadas entre si, sendo uma delas a da energia. Os munícipes serão desafiados a integrar uma das primeiras Comunidades de Energia baseada na energia solar do país. O projeto irá produzir cerca de 500hWh para consumo de energia na Faculdade Nova SBE. Esta energia é equivalente ao consumo simultâneo de cerca de 50 habitações (dependente do consumo médio de cada habitação). Ao mesmo tempo, as moradias ou apartamentos na proximidade podem instalar painéis solares para consumo próprio ou para venda à Faculdade. Um investimento já em curso que estará concluído no primeiro semestre de 2023.

DATA CELLAR, COMMUNITAS e RE-VALUE / Horizonte 2020 

Os recéns iniciados projetos DATA CELLAR, COMMUNITAS e RE-VALUE financiados pelo programa Horizonte 2020, um orçamento de cerca de 28 milhões de euros, visam articular todos os agentes do sector energético e as famílias de Cascais para perceber as barreiras de mercado que estão a atrasar a adoção de soluções para a produção de energia solar. Permitem ainda partilhar com todos informação sobre o padrão de consumo energético para identificar as melhores soluções e o retorno de investimento.

 

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários