Casinos do Grupo Solverde atribuíram prémios no valor de mais de 101 milhões em setembro

Em setembro, os casinos do Grupo Solverde atribuíram prémios no valor de mais de 101 milhões de euros. Só o Casino Espinho fechou com a entrega de mais de 46 milhões de euros, e com mais de 87 mil euros no Bingo.

Solverde Casinos

Em setembro, os Casinos do Grupo Solverde atribuíram prémios no valor de mais de 101 milhões de euros.

No Casino Espinho o mês fechou com a entrega de mais de 46 milhões de euros e com mais de 87 mil euros no Bingo.

Já o casino Chaves atribuiu mais de 9 milhões de euros, enquanto os Casinos do Algarve – Monte Gordo, Vilamoura e Praia da Rocha – concederam mais de 46 milhões de euros.

A Solverde, também conhecida como Solverde Casinos & Hotéis, é um grupo português fundado em 1972 por Manuel de Oliveira Violas, sob a designação social Solverde – Sociedade de Investimentos Turísticos da Costa Verde.

“Os casinos do Grupo Solverde oferecem uma variedade de espaços de entretenimento, com salas de jogos com as mais recentes novidades, gastronomia variada e salas de espectáculo, por onde passam os principais artistas nacionais e internacionais”, revela o grupo.

Recomendadas

Fitch Rating antecipa ano desastroso para o sector imobiliário

Os países que preferiram as taxas variáveis e permitiram um forte aumento do preço das casas estão especialmente vulneráveis à inflação e à queda da procura. Portugal não faz parte do estudo, mas tem tudo para fazer parte do pior cenário.

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.
Comentários