Caso Celsius Network: quando a ganância leva ao colapso

A empresa que em tempos “gozava” com o setor financeiro tradicional e alegava que “banks are not your friends” (os bancos não são nossos amigos), muitas vezes referindo-se a bancos como o Goldman Sachs e exchanges tradicionais, é a mesma empresa que agora se vê numa situação frágil e a precisar daqueles que, em tempos, menosprezava

A 14 de julho deste ano, os investidores de criptos foram apanhados de surpresa com a decisão da maior plataforma de lending no ecossistema das criptomoedas, dia em que a Celsius decide anunciar a suspensão temporária dos levantamentos dos mais de 1,7 milhões de utilizadores devido às “condições extremas do mercado”.

Na mesma altura em que se deu o colapso do projeto Luna, a maior CeFi acabou por alimentar ainda mais o pânico no mercado, levando muitos a crer que este podia ser o fim do mercado das criptomoedas como conhecíamos até então.

Saiba como se pode proteger do mercado em tempos de incerteza.

Ao refletirmos sobre esta situação, esta parece-nos familiar, não? Recordando o que aconteceu na última grande crise financeira em 2007, a falência do Salomon Brothers e Lehman Brothers levou a uma série de falências de outros bancos, juntamente com a perda de capital de muitos clientes, e quase que retirou toda a credibilidade do sistema financeiro. No lado do ecossistema dos criptoativos, o impacto não foi diferente. Uma série de CeFi’s acabaram por declarar falência, enquanto que outras seguiram o mesmo caminho que a Celsius ao anunciarem o congelamento dos levantamentos. Além disso, começou-se a assistir a um êxodo dos investidores para as instituições financeiras centralizadas (tradFi), que até então eram vistas com maus olhos no meio dos investidores de criptomoedas.

Conheça mais em detalhe o mercado de criptomoedas neste artigo.

Egocentrismo e má gestão de Alex Mashinsky

Alex Mashinsky, CEO da Celsius, que veio a Portugal e realizou vários encontros entre os investidores, revelou-se um dos principais responsáveis. Apesar do caso Celsius encontrar-se ainda numa fase inicial, os recentes depoimentos e informações que têm saído a público sobre as audições em tribunal dão conta de má gestão dos fundos dos clientes e investimentos demasiado agressivos, sobretudo em projetos demasiados especulativos baseados em DeFi – contradizendo tudo aquilo que a empresa defendia (2% de risco em DeFi). E como se não fosse suficiente, foi também conhecido que em janeiro Alex se reuniu com a sua equipa de investimentos para anunciar que iria assumir o controlo do departamento de Trading, antes da reunião da Reserva Federal.

Além de tudo isto, as condições de mercado, como a Celsius alegou, de facto não ajudaram e acabaram por expor as fragilidades que a empresa revelara.

Embora as audiências em tribunal ainda não tenham terminado, os lesados são claramente os clientes. Resta-nos agora perceber se existe a possibilidade de virem a recuperar os seus fundos ou, pelo menos, parte deles.

Evolução do token da Celsius até 14 de julho 2022. Fonte: Coinmarketcap

 

Este material é uma comunicação de marketing na aceção do artigo 24.º, n.º 3, da Diretiva 2014/65 / UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 15 de maio de 2014, sobre os mercados de instrumentos financeiros e que altera a Diretiva 2002/92 / CE e Diretiva 2011/61/ UE (MiFID II). A comunicação de marketing não é uma recomendação de investimento ou informação que recomenda ou sugere uma estratégia de investimento na aceção do Regulamento (UE) n.º 596/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho de 16 de abril de 2014 sobre o abuso de mercado (regulamentação do abuso de mercado) e revogação da Diretiva 2003/6 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho e das Diretivas da Comissão 2003/124 / CE, 2003/125 / CE e 2004/72 / CE e do Regulamento Delegado da Comissão (UE ) 2016/958 de 9 de março de 2016 que completa o Regulamento (UE) n.º 596/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito às normas técnicas regulamentares para as disposições técnicas para a apresentação objetiva de recomendações de investimento, ou outras informações, recomendação ou sugestão de uma estratégia de investimento e para a divulgação de interesses particulares ou indicações de conflitos de interesse ou qualquer outro conselho, incluindo na área de consultoria de investimento, nos termos do Código dos Valores Mobiliários, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 486/99, de 13 de Novembro. A comunicação de marketing é elaborada com a máxima diligência, objetividade, apresenta os factos do conhecimento do autor na data da preparação e é desprovida de quaisquer elementos de avaliação. A comunicação de marketing é elaborada sem considerar as necessidades do cliente, a sua situação financeira individual e não apresenta qualquer estratégia de investimento de forma alguma. A comunicação de marketing não constitui uma oferta ou oferta de venda, subscrição, convite de compra, publicidade ou promoção de qualquer instrumento financeiro. A XTB, S.A. – Sucursal em Portugal não se responsabiliza por quaisquer ações ou omissões do cliente, em particular pela aquisição ou alienação de instrumentos financeiros. A XTB não aceitará a responsabilidade por qualquer perda ou dano, incluindo, sem limitação, qualquer perda que possa surgir direta ou indiretamente realizada com base nas informações contidas na presente comunicação comercial. Caso o comunicado de marketing contenha informações sobre quaisquer resultados relativos aos instrumentos financeiros nela indicados, estes não constituem qualquer garantia ou previsão de resultados futuros. O desempenho passado não é necessariamente indicativo de resultados futuros, e qualquer pessoa que atue com base nesta informação fá-lo inteiramente por sua conta e risco.

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a XTB.

Recomendadas

Que impacto terá o novo Orçamento de Estado para as famílias? Descubra no Webinar de 14 de Outubro!

Save the date! É já no próximo dia 14 de outubro, às 15h00, o Webinar dedicado ao impacto que o Orçamento de Estado para 2023 irá ter sobre as famílias portuguesas.

A Mobilidade elétrica acelera a descarbonização das empresas

Na sua definição mais simples, descarbonizar significa “tirar carbono a”. E no caso da energia, significa que cada vez mais, queremos trocar as energias fósseis, que emitem gases de efeito estufa, por mais energias verdes, renováveis.

Euribor em máximos de uma década

O que pode fazer para cobrir a subida dos juros do seu empréstimo à habitação?
Comentários