Casos que envolvem ministros mostram que questionário deve aplicar-se a todos, defende PR

O Presidente da República defendeu esta sexta-feira que os casos que envolvem os ministros Fernando Medina e João Gomes Cravinho demonstram como o passado dos governantes é importante e o questionário do Governo deve aplicar-se a todos.

O Presidente da República defendeu esta sexta-feira que os casos que envolvem os ministros Fernando Medina e João Gomes Cravinho demonstram como o passado dos governantes é importante e o questionário do Governo deve aplicar-se a todos.

Em resposta a perguntas dos jornalistas, no fim de um fórum sobre a Europa na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa disse desconhecer os factos noticiados esta sexta-feira do caso que envolve o ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, relativos ao seu tempo como titular da pasta da Defesa.

A propósito deste caso, o chefe de Estado reiterou a sua posição de que o questionário de 36 perguntas aprovado para novos governantes deve aplicar-se também a quem já está em funções, “porque à medida que o tempo passa podem surgir questões que não eram do conhecimento ou dos próprios ou da opinião pública ou dos cidadãos ou da comunicação social, e que dizem respeito ao passado”.

“Isso só comprova a razão daquilo que eu disse”, considerou.

Interrogado se em teoria um governante que mente em declarações feitas no parlamento tem condições para se manter no cargo, o Presidente da República não respondeu diretamente à pergunta, mas fez a seguinte observação: “A pessoa que está num debate parlamentar está a emitir uma opinião ou um juízo baseado em certos pressupostos, pode de repente fazer declarações que mais tarde se verifique e o próprio verifica que não correspondiam à realidade, que tinha uma ideia vaga da realidade, isso não era bem assim”.

“Isso acontece muitas vezes. Vamos ver”, acrescentou.

Questionado depois sobre o caso que envolve o ministro das Finanças, Fernando Medina, por decisões no seu tempo como presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa não o quis comentar, mas aproveitou para insistir na aplicação geral do questionário do Governo.

“Cá temos outra situação que confirma como é importante o esclarecimento relativamente a factos do passado e a um governante que já estava em funções antes de haver o questionário”, disse, insistindo que o esclarecimento das questões é importante “para todos os que estejam em funções”.

Relacionadas

Respostas Rápidas. O que há de novo no caso de suspeitas de corrupção no ministério da Defesa?

O PSD quer que Cravinho volte ao Parlamento para responder a questões que remetem para a construção do hospital militar de Belém.

Medina pede para ser ouvido no caso que motivou buscas na Câmara de Lisboa

O ministro das Finanças, Fernando Medina, disse hoje que pediu para ser ouvido no âmbito do processo que motivou na terça-feira a realização de buscas na Câmara de Lisboa, embora desconheça “em absoluto” a investigação em curso.

De uma investigação até às suas conclusões e consequências “vai uma distância”, diz Presidente da República

O Presidente da República afirmou hoje, ao ser questionado se o ministro das Finanças tem condições para se manter em funções, que de uma investigação até às suas conclusões e consequências “vai uma distância”.
Recomendadas

Bónus ilegal à CEO da TAP. PSD diz que “tem que haver consequências políticas”

“Temos que apurar realmente o que aconteceu e está a acontecer na TAP. Quando falamos na gestão da TAP é preciso perceber onde estava o acionista Estado? Como foi possível atirar 3,2 mil milhões de euros para a TAP?”, questionou-se o deputado social-democrata.

André Ventura reage ao bónus da CEO da TAP: “Parece evidente que é ilegal”

“É mesmo uma questão de legalidade e de invalidade. Se num elemento tão importante como este, a administração e o Estado preferiram não a divulgar, é porque a queriam manter secreta e isto só por si é muito grave”. Líder do Chega reagiu esta sexta-feira à manchete do Jornal Económico que revela que o bónus previsto para a CEO da TAP é ilegal.

“Bónus à CEO da TAP é potencialmente ilegal”, acusa Mariana Mortágua

O Jornal Económico revela, na edição desta sexta-feira, o contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP. O que significa que o contrato será inválido e o pagamento do bónus não será devido.
Comentários