Catalunha: Gastos do referendo ocultados com bitcoins

O El Mundo indica que a decisão do Governo de Carles Puidgemont em pagar vários serviços online através da bitcoin serviu para ocultar algumas despesas causadas pela realização do referendo.

A Generalitat terá pago a empresas como a Amazon e Google para promover a realização do referendo de independência da Catalunha, a 1 de outubro. O Governo Regional de Carles Puidgemont terá pago serviços online através da bitcoin, uma modalidade de pagamento considerada ilegal pelo Tribunal Constitucional espanhol.

A decisão do Governo de Carles Puidgemont, destituido pelo Governo central espanhol após a dissolução do parlamento catalão a 28 de outubro, em pagar vários serviços online através da bitcoin serviu para ocultar algumas despesas causadas pela realização do referendo.

De acordo com o El Mundo, a criptomoeda, mais conhecida por bitcoin, serviu não só para pagar sítios oficiais do executivo regional catalão a promover o referendo de 1 de outubro, mas também para pagar o software responsável pela contagem de votos, alegadamente fornecido pela Amazon. Terá sido também pago à Google um escudo de proteção contra ataques informáticos, o Privacy Shield.

O periódico espanhol relembra ainda que até à véspera da realização do referendo foram encerrados vários sítios da Generalitat a promover a independência da Catalunha face a Espanha.

 

 

Recomendadas

Costa defende missão portuguesa na República Centro Africana mesmo após a saída das tropas francesas

António Costa falava aos militares da 12.ª Força Nacional Destacada, que é composta por 215 elementos, depois de ter sido recebido no campo com honras militares e de ter tirado uma fotografia de família.

PremiumJá não há forma de a guerra escapar a uma escalada de violência

A decisão de enviar tanques de guerra ocidentais para a Ucrânia transformou os próximos meses numa ‘janela de oportunidade’ para as tropas russas. As notícias de que Moscovo está a preparar nova ofensiva para fevereiro ou março têm tudo para serem levadas a sério.

Presidente do Sudão do Sul compromete-se perante o Papa a desbloquear acordo de paz

“Em honra da visita histórica do Santo Padre Francisco ao nosso país, e da nossa declaração de 2023 como Ano de Paz e Reconciliação, anuncio oficialmente o levantamento da suspensão dos Diálogos de Paz de Roma com os grupos de resistência”, disse Salva Kiir, Presidente do Sudão do Sul.
Comentários