Catalunha: participação nas eleições está a ser inferior à de 2015

As mesas eleitorais da Catalunha, constituídas sem incidências, estão abertas desde as 8h (hora de Lisboa) numas eleições regionais com 8.247 assembleias de voto, mais 935 do que em setembro de 2015. As urnas vão ficar abertas até às 19h (hora de Lisboa).

Juan Medina/Reuters

A participação eleitoral dos catalães para eleger 135 deputados para o Parlamento Regional da Catalunha rondava os 34,69% às 13h00 (12h00 em Lisboa), uma afluência inferior ao registado em 2015 à mesma hora (35,10%). Segundo o jornal “El País“, os dados são difíceis de comparar, porque em 2015 o dia de voto foi num domingo.

As mesas eleitorais da Catalunha, constituídas sem incidências, estão abertas desde as 8h00 (hora de Lisboa) numas eleições regionais com 8.247 assembleias de voto, mais 935 do que em setembro de 2015. As urnas vão ficar abertas até às 19h00 (hora de Lisboa).

O número de eleitores registados é de 5.554.394 de eleitores, mais 0,79% do que nas eleições de 2015.

As eleições para eleger a nova composição do Parlamento catalão – com 135 deputados -, de onde sairá o novo Governo regional (Generalitat) foram convocadas pelo chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, a 27 de Outubro, depois da Generalitat, então chefiada por Carles Piudgemont, ter realizado um referendo que convocava os catalães a escolher entre a independência da região e a permanência no Estado espanhol. Madrid nunca apoio a realização do referendo e serviu-se da Constituição de 1978 para “mandar abaixo” Puidgemont.

As eleições da região autónoma da Catalunha desta quinta-feira são, por isso, cruciais para determinar se o ímpeto independentista, que culminou no referendo de 1 de Outubro e na consequente prisão de líderes políticos catalães e auto-exílio de Puidgemont na Bélgica, termina ou não.

A JuntsxCat, ERC e o CUP (pró-indpendência), o Cidadãos, PSC, PP (anti-independência) e a CatECP são as força políticas que foram a votos.

Relacionadas

Catalunha: Xavi defende que um país democrático não pode ter prisioneiros políticos

Xavi, um ‘catalão de gema’ e figura maior do futebol espanhol, realçou que sempre defendeu Espanha, mas apoia a realização de “um referendo, para que a pessoas digam o que querem”.

Catalunha: Já abriram as urnas para escolher o sucessor de Puigdemont

Para as eleições regionais estão abertas 8.247 assembleias de voto, mais 935 do que nas eleições anteriores, realizadas em setembro de 2015.

Respostas Rápidas: O que está em causa nas eleições da Catalunha?

As eleições na Catalunha têm lugar esta quinta-feira num ambiente que já foi mais crispado, mas que continua a ser a ressaca do referendo à independência organizado a 1 de Outubro passado, e que resultou numa das crises mais graves, se não a mais grave, da democracia espanhola.
Recomendadas

Consórcio confirma existência de petróleo em São Tomé e Príncipe

O consórcio é composto pela Galp STP (operador) com 45% de interesses participativos, Shell STP com 45%, e a ANP–STP, em representação do Estado são-tomense, com 10% de interesses participativos.

Bósnia-Herzegovina: eleições ensombradas por milhares de votos inválidos

Quatro dias após as eleições, ainda não há resultados validados e o risco do não reconhecimento do ato eleitoral ou da sua repetição é grande. Entretanto, na República Srpska, Mirolad Dodic jura fidelidade a Moscovo.

Lado turco de Chipre exige reconhecimento às forças de paz da ONU

A República Turca do Chipre do Norte, país que só a Turquia reconhece, quer que a força de paz da ONU, que está no terreno desde 1964, reconheça a existência do país. Ou então que se retire.
Comentários