Catarina Martins com relógio de luxo e outras ‘fake news’ sobre Portugal espalham-se em sites criados no Canadá

O “Diário de Notícias” descobriu que o responsável pelos sites de ‘fake news’ é um industrial de têxteis do Norte apoiante de Donald Trump e Jair Bolsonaro.

Vários websites com notícias falsas (“fake news”) sobre a política portuguesa estão a espalhar e a tornar virais conteúdos inventados no Canadá – e pelo mundo, através das partilhas nas redes sociais.

O “Diário de Notícias” (DN), na sua edição semanal publicada este domingo, revela que descobriu a identidade do responsável por divulgar estas imagens ou textos falsos, como por exemplo uma ‘fotografia’ da líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, com um suposto “relógio de luxo suíço com o valor de 20,9 milhões de euros” – ‘informação’ que o partido já garantiu ser falsa.

Segundo o DN, o autor destas fake news é um industrial de têxteis do Norte apoiante de Donald Trump e Jair Bolsonaro:  João Pedro Rosas Fernandes. Todos os sites portugueses estão sediados no Canadá, partilham o mesmo IP e têm por trás a empresa de Santo Tirso Forsaken.

João Fernandes será dono de websites como “Direita Política”, “A Voz da Razão”, “Não Queremos Um Governo de Esquerda em Portugal”, “Vídeo Divertido” e “Aceleras”. Ao semanário, o ainda sócio de duas indústrias têxteis admitiu estar “descontente com a falta de contraditório que existia na comunicação social”.

“É comum sempre que divulgamos alguma notícia sobre alguma figura pública que está envolvida em corrupção aparecerem algumas pessoas nas redes sociais a tentar desmentir os factos, dizendo que são fake news. Fazem o mesmo em todos os jornais online”, disse.

Recomendadas

Galp dispara mais de 2,5% depois de Andy Brown anunciar saída

O gestor britânico vai sair menos de dois anos depois de ter chegado à empresa para substituir Carlos Gomes da Silva que saiu antes do final do mandato.

Califórnia recebe eventos para americanos interessados em viver em Portugal

“O alvo é quem está interessado em mudar-se para Portugal para viver”, disse à Lusa Bruce Hawker, CEO da Open Media. “Desde uma pessoa que está prestes a reformar-se ao nómada digital que quer ir trabalhar remotamente, a alguém que esteja interessado em criar uma startup em Portugal ou famílias com crianças”, indicou o responsável. 

Andy Brown deixa presidência executiva da Galp no final do ano

Andy Brown destacou, citado na nota, que aceitou “com grande honra o convite para completar o mandato 2019-2022 com o objetivo de preparar a companhia para um futuro de sucesso em tempos de grandes desafios para o sector”.
Comentários