Catarina Martins questiona António Costa: “Irá o Governo recuperar para a esfera pública o serviço postal dos CTT?”

A líder bloquista alerta para práticas de “assalto” e “pilhagem” nos CTT pós-privatização e insta o Governo a chumbar o processo de reestruturação em curso e a reverter a privatização. Costa remete para avaliação de grupo de trabalho recém-formado e enjeita possibilidade de renacionalização.

Na abertura do debate quinzenal no Parlamento, Catarina Martins, líder do Bloco de Esquerda (BE), descreveu a situação dos CTT – Correios de Portugal com palavras muito duras e questionou diretamente o primeiro-ministro, António Costa, da seguinte forma: “Irá o Governo travar o processo de reestruturação dos CTT? Irá o Governo recuperar para a esfera pública o negócio do serviço postal dos CTT?” No que concerne ao processo de reestruturação, Martins sublinhou que terá de ser aprovado pelo primeiro-ministro.

“O que a direita fez com a venda danosa dos CTT foi um assalto ao país,” criticou a bloquista. Mais, “os acionistas privados vão pilhando a empresa”, retirando dividendos na ordem dos 90%, ao mesmo tempo que se avança com uma reestruturação dos serviços. “O assalto de Sérgio Monteiro [ex-secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações entre 2011 e 2015] conhece agora uma nova fase,” acrescentou, referindo-se ao anúncio de 800 despedimentos nos CTT. “Portugal não pode permitir esta destruição dos CTT,” defendeu.

Na resposta, Costa disse que o Governo está “preocupado” com a situação. Mas lembrou que acaba de formar um grupo de trabalho para avaliar a forma como está ser prestado o serviço postal. Quanto ao processo de reestruturação, optou por fazer a seguinte ressalva: “Não recebemos ainda qualquer proposta ou pedido de reestruturação. Há uma proposta que não tem qualquer intervenção do Governo, o despedimento coletivo, e outra que é para aumento da quota legalmente prevista para rescisão por mútuo acordo. Neste momento a questão não se coloca para o Governo.”

Martins voltou a insistir no mesmo tema.  “Os CTT davam lucro. O problema é que os acionistas privados estão a pilhar os CTT. Se o Governo fica à espera, não vai ter nada para recuperar. O Governo não pode ficar à espera para salvar os CTT, quando os acionistas estão a correr para os destruir,” repetiu a bloquista. Mas Costa não se  comprometeu nem com o chumbo do plano de reestruturação nem com a eventual renacionalização dos CTT. E remeteu novamente para as conclusões do grupo de trabalho que vai avaliar o serviço prestado pela empresa. Só então é que o Governo decidirá o que fazer.

Relacionadas

Greve nos CTT vai atrasar distribuição das suas cartas amanhã e sexta

Fernando Ambrioso, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações, filiado na CGTP, disse à agência Lusa que “a paralisação deverá ter uma forte adesão, tendo em conta a mobilização demonstrada pelos trabalhadores nos locais de trabalho”.

Ações dos CTT disparam após apresentação do plano de reestruturação

Os investidores estão agradados com o plano de reestruturação apresentado pelo operador postal esta segunda-feira e que inclui cortes de 25% nos salários dos gestores e a redução de 800 postos de trabalho nas operações

CTT vão reduzir 800 pessoas nas operações em três anos

Os CTT preveem reduzir cerca de 800 pessoas nas operações da empresa ao longo de três anos, devido à queda do tráfego do correio, de acordo com o Plano de Transformação Operacional hoje divulgado.

CTT vão “manter a qualidade” do serviço postal, garante presidente-executivo

O presidente executivo dos CTT, Francisco de Lacerda, garantiu hoje, em declarações à Lusa, que os Correios de Portugal vão “manter a qualidade” do serviço postal universal, no dia em que os Correios divulgaram o seu plano de reestruturação.
Recomendadas

EDP emite 500 milhões de dólares de ‘green bonds’ a 5 anos

Esta emissão destina-se ao financiamento (ou refinanciamento) do portfólio de projetos renováveis elegíveis da EDP, anuncia a empresa.

Metro de Lisboa tem um novo Provedor do Cliente e é o ex-ministro Vieira da Silva

Vieira da Silva foi eleito Provedor do Cliente do Metro de Lisboa, mas é “um contrato de prestação de serviço não remunerado”. O mandato é de um ano, renovável sucessivamente por iguais períodos.

“Nem eu nem a FPF quisemos criar esquema para iludir a AT”, defende selecionador sobre empresa que detém

Fernando Santos pretendia a anulação de liquidação de IRS no valor de cerca de 4 milhões de euros, verba relativa aos anos 2016 e 2017, sabe o JE. O contrato celebrado entre o selecionador e a FPF foi efetuado através de uma empresa, sendo que o respetivo IRC já foi liquidado.
Comentários