Católicos passaram a estar em maioria na até agora protestante Irlanda do Norte

Os católicos passaram a estar em maioria na Irlanda do Norte, depois de um século de domínio dos protestantes, segundo os resultados de um censo divulgados hoje pela agência de estatística e investigação local.

Atualmente, 42,3% da população da Irlanda do Norte identifica-se como católica, em comparação com 37,3% que são protestantes ou de outras confissões cristãs, de acordo com os dados oficiais citados pela agência noticiosa francesa AFP.

A Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, surgiu como uma divisão geográfica e administrativa em 1921, depois da independência da outra parte da ilha, a República da Irlanda, um país maioritariamente católico.

A ilha tem cerca de sete milhões de habitantes, dos quais cerca de cinco milhões na República da Irlanda, que tem uma área superior a 70.000 quilómetros quadrados, contra pouco mais de 14.000 da Irlanda do Norte.

A maioria protestante da Irlanda do Norte tem dado poder aos unionistas, que apoiam a reunificação com o Reino Unido.

Os resultados divulgados hoje marcam uma reviravolta que a AFP qualificou como histórica.

No recenseamento anterior, realizado em 2011, 45% da população dizia-se católica e 48% protestante.

Em 2001, 53% da população identificou-se como protestante e 44% como católica.

Os apelos para uma maior igualdade entre protestantes e católicos – a maioria dos quais favoráveis à reunificação com a República da Irlanda – foram uma das primeiras fontes de violência na região, iniciada na década de 1960.

Os 30 anos de conflito provocaram 3.500 mortos e terminaram em 1998, com o Acordo da Sexta-feira Santa, que estabeleceu a partilha do poder entre as duas comunidades.

Os resultados do recenseamento podem colocar sobre a mesa a questão de um referendo de independência e de uma reunificação da Irlanda do Norte com a República da Irlanda, segundo a AFP.

Em maio, os nacionalistas do Sinn Fein, a antiga ala política dos paramilitares do IRA e apoiantes da reunificação, ganharam as eleições locais pela primeira vez.

As sondagens também colocam o partido à frente na República da Irlanda, onde estão previstas eleições gerais em 2025.

Antes do resultado do censo, os unionistas tinham tentado minimizar o significado de uma maioria católica para um referendo de independência.

Nos termos do Acordo de Sexta-feira Santa, o ministro para a Irlanda do Norte deve convocar um referendo “se lhe parecer provável que uma maioria de eleitores expressará o desejo de que a Irlanda do Norte deixe de fazer parte do Reino Unido”, segundo a AFP.

Uma das questões do inquérito à população era sobre a identidade nacional, com 31,8% a responderem que se sentem “apenas britânicos”, uma queda significativa em relação aos 40% de há 10 anos.

Ao mesmo tempo, 29,1% disseram sentir-se “apenas irlandeses”, e 19,7% responderam sentir-se “apenas irlandeses do Norte”.

Desde maio, o principal partido unionista, o DUP, tem vindo a bloquear o executivo recusando-se a partilhar o poder com o Sinn Fein até que sejam alterados os acordos pós-Brexit (saída do Reino Unido da UE) aplicáveis na Irlanda do Norte.

Segundo o DUP, estas disposições, que introduzem efetivamente uma fronteira aduaneira entre a Irlanda do Norte e a Grã-Bretanha, ameaçam a integridade do Reino Unido.

Numa tentativa de acalmar as tensões, a primeira-ministra britânica, Liz Truss, quando era chefe da diplomacia, introduziu legislação para alterar unilateralmente as disposições do acordo Brexit, arriscando-se a alienar a União Europeia (UE), que ameaçou com uma guerra comercial.

O novo ministro para a Irlanda do Norte britânico, Chris Heaton-Harris, apelou ao DUP para que regresse à assembleia local até 28 de outubro, ou enfrente uma nova eleição.

Além da ideia da reunificação estar a ganhar terreno na Irlanda do Norte, o Governo britânico está também a enfrentar aspirações de independência na Escócia, cujo Governo quer realizar um novo referendo no próximo ano.

O “não” venceu em 2014, mas o Brexit, a que a maioria dos escoceses se opôs, reacendeu o debate.

Recomendadas

Prémio Nobel da Física distingue trabalho sobre mecânica quântica

 O Prémio Nobel da Física 2022 foi atribuído a Alain Asqect, John F. Clauser e Anton Zeilinger pelo trabalho em mecânica quântica, anunciou hoje a academia sueca.

União Europeia aprova em definitivo lei sobre salários mínimos adequados

O aval dos 27 ocorre depois de, em 14 de setembro passado, o Parlamento Europeu ter aprovado em Estrasburgo por larga maioria (505 votos a favor, 92 contra e 44 abstenções) a nova legislação, que os Estados-membros terão agora dois anos para transpor para o direito nacional.

Bolsa brasileira regista melhor dia desde 2020. Investidores miram privatizações de Bolsonaro

Várias empresas públicas registaram disparos na bolsa brasileira com investidores interessados nos processos de privatização se Jair Bolsonaro ficar no poder.
Comentários