Cavaco Silva recorda “almofada financeira substancial”

Cavaco Silva comparou a atual crise política com a situação vivida em 2011, fazendo alusão a “uma almofada financeira de dimensão substancial”.

“No fim desta visita eu levo comigo a convicção, certeza diria mesmo a certeza, que os madeirenses saberão ultrapassar as limitações estruturais da sua economia (…) e diria mesmo que não há razões para estarem preocupados no que se refere ao seu desenvolvimento com a atual crise política que se vive no nosso país, porque felizmente esta crise política ocorre em situações que são muito mais favoráveis do que aquelas que se verificavam na última que tinha ocorrido, que foi em 2011”, afirmou o chefe de Estado, uma intervenção na sessão de encerramento da 7.ª jornada do Roteiro para a Economia, que decorreu na Madeira.

Falando no acesso mais fácil aos mercados que existe hoje, no crescimento da economia, na diminuição do desemprego e “na almofada financeira de dimensão substancial” que o tesouro português tem agora, Cavaco Silva recordou a situação “exígua e assustadora do tesouro em 2011: “Eu nem quero vos dizer qual era o montante que tesouro português tinha em cofre em 2011”, referiu o Presidente da República.

OJE

Recomendadas

Energia dá impulso à Bolsa de Lisboa. Europa fecha no verde em dia marcado pela inflação

O mercado esperava que a inflação do IPC na zona do euro desacelerasse de 10,6% em Outubro para 10,4% em Novembro (variação anual). A leitura real mostrou uma desaceleração para 10,0% num ano. Os juros soberanos sobem. As ações também.

CMVM avança com cinco processos de contraordenação contra auditoras e CGD

O regulador aplicou quatro processos por violação de deveres de atuação dos auditores e outro à Caixa Geral de Depósitos por violação de deveres dos intermediários financeiros. Foi aplicada uma coima de 25 mil euros ao banco, suspensa integralmente por dois anos.