CBRE junta-se à APPC e à ADENE para reduzir o consumo de energia

“Os centros comerciais integrados no portefólio de gestão da CBRE estão já a reduzir o horário de funcionamento da iluminação decorativa e publicitária interior e exterior para efeitos de poupança de energia, a usufruir da luz natural dos edifícios e a regular a temperatura dos equipamentos de climatização interior”, revela a consultora.

A CBRE, consultora líder mundial na prestação de serviços para o sector imobiliário, anunciou que acaba de se juntar à iniciativa da Associação Portuguesa de Centros Comerciais (APCC) e da Agência para a Energia (ADENE), que tem como objetivo “consciencializar os consumidores para a redução dos consumos de energia, através de medidas sustentáveis alinhadas com o Plano de Poupança de Energia 2022-2023”.

Este pacote de medidas abrange todos os centros comerciais geridos pela CBRE no país, nomeadamente, o 8.ª Avenida (São João da Madeira), o Rio Sul Shopping (Seixal), o LoureShopping (Loures), o Alameda Shop & Spot (Porto), o UBBO (Lisboa), o Alma Shopping (Coimbra), o Nosso Shopping (Vila Real) e o TorreShopping (Torres Novas).

“Para responder aos desafios energéticos que a conjuntura atual coloca, os centros comerciais integrados no portefólio de gestão da CBRE estão já a reduzir o horário de funcionamento da iluminação decorativa e publicitária interior e exterior para efeitos de poupança de energia, a usufruir da luz natural dos edifícios e a regular a temperatura dos equipamentos de climatização interior”, revela a consultora.

O objetivo é “fazer um uso mais racional e responsável da energia, bem como a aproveitar as águas pluviais para rega, nos sistemas de ar condicionado e descargas nas casas de banho, entre outras medidas que promovem a eficiência hídrica e energética”.

A iluminação, climatização e utilização da água nos edifícios é controlada por sistemas de gestão que permitem um uso mais responsável e racional dos recursos, realça a CBRE. “Além da energia utilizada ser totalmente de origem renovável, a CBRE está a avaliar a possibilidade de os seus centros comerciais produzirem a sua própria energia no futuro”, diz ainda a consultora imobiliária.

A CBRE avança que a “a sustentabilidade e a utilização consciente dos recursos naturais estão no centro da estratégia da CBRE, pelo que o contexto geopolítico atual, com consequências para o cumprimento das metas ambientais do País, não nos é naturalmente indiferente”.

“Os centros comerciais geridos pela CBRE uniram-se à iniciativa da APCC e da ADENE para reduzir o consumo energético, assumindo a sua responsabilidade e apelando aos clientes e aos lojistas que se associem de forma colaborativa”, sublinha Luís Arrais, retail property management director Iberia na CBRE Portugal.

Recomendadas

Loja no centro histórico do Porto vendida por um milhão de euros

O edifício estava arrendado desde 2018 ao restaurante Luzzo Pizzaria, num espaço comercial que ocupa uma área de 171 m2, tendo agora sido adquirido por um investidor privado de origem brasileira.

Preço do alojamento dispara 600% com visita do Papa em agosto

As zonas do Parque das Nações e de Moscavide, mais perto da zona do Rio Trancão que vai receber o Papa Francisco na Jornada Mundial da Juventude, já observaram um aumento de preços nas plataformas de alojamento local na primeira semana de agosto.

PremiumProjetos imobiliários em Lisboa esperam anos por autorizações

Há projetos que chegam a demorar cinco anos, ou mais, a serem licenciados pela autarquia. Promotores desesperados com atrasos exigem sistema mais rápido. Cada ano de atraso encarece, em média, cada casa em 50 mil euros.
Comentários