Certificados de Origem. CCIP integra cadeia de acreditação

A Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa (CCIP) anunciou que passou a integrar a Cadeia Internacional de Acreditação na emissão de Certificados de Origem.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A CCIP pode agora emitir Certificados de Origem, os documentos alfandegários utilizados no comércio internacional como forma de atestar a origem das mercadorias.

A emissão deste tipo de documentos está sobre a responsabilidade das Câmaras de Comércio de cada país.

Certificado de origem

Esta Cadeia de Certificação foi criada pela Câmara de Comércio Internacional (ICC) e pretende atestar que a emissão destes documentos é efetuada por entidades que cumprem um conjunto de regras e procedimentos em conformidade com as melhores práticas internacionais.

Este selo de qualidade certifica a CCIP como uma entidade transparente, independente, responsável e com procedimentos de emissão padronizados por uma qualidade internacional.

Ao tornar-se parte da Cadeia Internacional de Certificação dos Certificados de Origem, a Câmara de Comércio permite que “Portugal se torne o 12º País a aderir a esta importante ferramenta e demonstra o seu compromisso e empenho na promoção das empresas portuguesas no comércio internacional com uma maior qualidade, credibilidade e de forma mais segura”, explica a organização em comunicado.

De referir que esta certificação não vai trazer custos acrescidos para as empresas que utilizam este serviço disponibilizado pela Câmara de Comércio.

Esta Cadeia de Certificação também traz para os operadores económicos vantagens adicionais, ao permitir que qualquer operador em qualquer lugar do mundo possa aceder a um espaço na internet e validar se o certificado de origem corresponde ao exportador e se foi emitido por uma Câmara competente tornando-se uma potente ferramenta de combate à fraude.

A Câmara de Comércio também foi reconhecida pela ICC como “National Coordination Body”, o que significa que tem competências para certificar a nível nacional todas as Câmaras emissoras de Certificados de Origem que preencham os requisitos exigidos.

OJE

Recomendadas

Fitch Rating antecipa ano desastroso para o sector imobiliário

Os países que preferiram as taxas variáveis e permitiram um forte aumento do preço das casas estão especialmente vulneráveis à inflação e à queda da procura. Portugal não faz parte do estudo, mas tem tudo para fazer parte do pior cenário.

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.