CDS denuncia falta de obras em troços rodoviários e ferroviários mas governo rejeita ideia de “situação de alarme social”

“O Governo está preocupado com esta tentativa insistente de criação de uma situação de alarme social com o estado das nossas infraestruturas rodoviárias e ferroviárias e nada, repito, nada, justifica a criação deste clima de medo junto dos portugueses”, afirmou o secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme W. d’Oliveira Martins.

O Governo rejeitou hoje a “situação de alarme social” criada pelo CDS com a denúncia de falta de obras em troços rodoviários e ferroviários, garantindo que estão a ser feitas “obras de manutenção” e “intervenções de emergência”.

“O Governo está preocupado com esta tentativa insistente de criação de uma situação de alarme social com o estado das nossas infraestruturas rodoviárias e ferroviárias e nada, repito, nada, justifica a criação deste clima de medo junto dos portugueses”, afirmou o secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme W. d’Oliveira Martins, em declarações à agência Lusa.

Em causa está o lançamento, no sábado, da iniciativa centrista “País preso por arames”, no âmbito da qual o CDS vai denunciar até ao final do ano, “de norte a sul do país”, a situação de “estradas, ferrovias e pontes” sinalizadas como pontos críticos e demonstrativas das “escolhas de um Governo de carga fiscal máxima e de investimento público mínimo”, segundo a presidente do partido, Assunção Cristas.

Guilherme W. d’Oliveira Martins vincou, por seu lado, que “o Governo e IP [Infraestruturas de Portugal] têm rede nacionais de estrada e caminhos de ferro em permanente monitorização e há um pouco por todo o país obras de manutenção corrente e intervenções de emergência quando tal é necessário”.

De acordo com o governante, a IP assinou, recentemente, nove contratos de conservação rodoviária no país num total de 107 milhões de euros.

“Interessa também assinalar que o investimento da IP duplicou em 2018 e vai manter esse ritmo de crescimento em 2019”, realçou Guilherme W. d’Oliveira Martins.

Como obras “de emergência” em curso o responsável assinalou a intervenção na nacional 125, no Algarve, no IC1, entre Alcácer do Sal e Grândola, a construção da ponte do Albardão, a estrada nacional 14, em Famalicão.

“Nas próximas semanas, vamos assinar contratos para obras de maior importância como a Ponte 25 de Abril” e “intervenções no IP3, entre Coimbra e Viseu”, apontou, falando também em “obras de grande complexidade”.

Assunção Cristas escolheu no sábado o Itinerário Principal (IP) 6, que liga Óbidos a Peniche, para o arranque da iniciativa “País preso por arames”, denunciando a ausência de obras num troço “com fissuras, onde o piso abateu” e que está “inviabilizado há um ano”, à espera de reparação.

Falando sobre o IP6, Guilherme W. d’Oliveira Martins referiu que é uma intervenção identificada desde 2006, para a qual foi lançado um concurso em março deste ano, estimando-se que a obra de 3,5 milhões de euros arranque “no início de 2019”.

De entre as várias dezenas de situações que o CDS vai denunciar até ao final do ano, a dirigente centrista apontou também a Ponte 25 de Abril, em Lisboa, como “uma das preocupações” e em relação às quais o Governo “não fez absolutamente nada”.

Em reação, o secretário de Estado sublinhou que “a IP realiza as obras com toda a celeridade e dentro dos calendários recomendados pelos técnicos e estas ações de fiscalização garantem os níveis de serviço, que as condições das vias são boas e garantem, como prioridade máxima, a segurança rodoviária”.

O governante criticou ainda que se tenha optado “por fazer política da pior maneira, incluindo clima de medo e insegurança nas pessoas de forma completamente injustificada”.

“Pela nossa parte, garantimos que vamos continuar em prol da mobilidade e da segurança da circulação rodoviária e ferroviária”, concluiu Guilherme W. d’Oliveira Martins.

Relacionadas

A fragmentação do centro-direita

Os partidos tradicionais, fora do poder atual, correm o risco de perder representação na manutenção da seriedade das suas propostas políticas.

Auditoria à gestão da CGD: Lista de administradores entre 2005 e 2008 abrange Carlos Costa

Marques Mendes anunciou que estava concluída a auditoria à gestão passada da Caixa Geral de Depósitos e que o resultado apontava para o período entre 2005 e 2008 como o mais negro do banco. “Isto significa que gestores que passaram pela Caixa naquele período não vão conseguir no futuro a aprovação do BCE caso a idoneidade tenha de ser avaliada ou reavaliada no futuro”, disse. Ora, entre 2005 e 2008, passaram na administração do banco público alguns dos atuais administradores de bancos e até inclui o supervisor nacional.

Sondagem dá vitória ao PSD Madeira, mas com empate em mandatos com o PS

Estudo de opinião da Eurosondagem aponta para vitória do PSD, mas com um empate com o PS em número de mandatos. CDS é visto a eleger cinco deputados. JPP e CDU perdem mandatos, BE mantém.

CDS-PP quer reforço de verbas e colaboração com privado para responder a listas de espera na saúde

Os centristas propõem ainda uma colaboração entre o Serviço Regional e Nacional de Saúde, e os privados de modo a que se reduza as listas de espera.
Recomendadas

OE2022. Resposta à Covid-19 custou ao Estado 2.835,2 milhões até agosto

A resposta à covid-19 custou 2.835,2 milhões de euros até agosto, devido à perda de receita em 464,5 milhões de euros e ao aumento da despesa em 2.370,7 milhões, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

Excedente orçamental melhora para 2,3 mil milhões de euros em agosto

Este valor representa uma melhoria de 9.211 milhões de euros em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo o comunicado do Ministério das Finanças.

Banco Nacional de Angola desce juros, em contraciclo com os outros bancos centrais

O comité que decide a política monetária angolana justificou a descida dos jurps com a “consistência do abrandamento da evolução de preços na economia nacional, particularmente desde o início do ano, como resultado do contínuo e rigoroso controlo da liquidez, da apreciação do kwanza em relação às principais moedas utilizadas nas transacções com o exterior”.
Comentários