CDS-Madeira quer se afirmar como um partido de uma “direita segura, moderada e responsável”

O líder dos centristas, Rui Barreto, discursava ontem, dia 14 de junho, no concelho de Santa Cruz, no seguimento dos encontros que está a realizar em toda a ilha com os militantes do CDS, para apresentar a Moção de Estratégia Global intitulada “A Direita da Madeira”, que levará ao XVIII Congresso Regional do partido, a ocorrer nos próximos dias 25 e 26 de junho.

O CDS-Madeira está a preparar o seu XVIII Congresso Regional, tendo o recandidato à liderança do partido, Rui Barreto, afirmado que o CDS “é um partido de uma direita segura, moderada e responsável”.

O líder dos centristas discursava ontem, dia 14 de junho, no concelho de Santa Cruz, no seguimento dos encontros que está a realizar em toda a ilha com os militantes do CDS, para apresentar a Moção de Estratégia Global intitulada “A Direita da Madeira”, que levará ao XVIII Congresso Regional do partido, a ocorrer nos próximos dias 25 e 26 de junho.

“É assim que o CDS se deve afirmar, como um partido da direita, da Madeira, autonomista. Um partido de uma direita segura, moderada e responsável. Um partido competente no exercício das suas funções e que é, hoje, o garante da estabilidade política na Madeira”, afirmou.

Rui Barreto salientou ainda que sentiu “o partido mobilizado”,  tendo recebido contributos para a Moção que entregará “ainda esta semana”.

“Sinto o partido entusiasmado e este será, com certeza, um congresso com grande vivacidade, de grande mobilização, e uma demonstração que o CDS é um partido essencial para a democracia da Madeira”, afiançou.

O líder regional dos centristas quis destacar a “força e expressão” que o CDS tem no poder local e regional, com uma rede de 108 autarcas e com presença no executivo da Câmara Municipal do Funchal. O líder do CDS lembrou ainda que o seu partido lidera o Município de Santana, lidera cinco Juntas de Freguesia, tem dois secretários regionais e a presidência da Assembleia Legislativa da Madeira, rematando que o CDS “é um partido que quer contribuir para o futuro da região, com segurança, estabilidade e responsabilidade.”

“Hoje sente-se um ambiente de confiança na Madeira, confiança no investimento, confiança no futuro porque há estabilidade e segurança para investir”, realçou.

“Aquilo que eu quero é que, no futuro, o CDS possa consolidar-se como um partido estruturante no futuro da região, interpretando sempre os desafios das novas gerações, mas, contando também, com aqueles que contribuíram para o desenvolvimento da Região Autónoma da Madeira no passado”, explicou, sendo que pretende que o CDS se afirme como “um partido intergeracional, interclassista, um partido democrata cristão, mas que é liberal na economia e que preserva as tradições e os costumes da nossa identidade enquanto região autónoma que somos.”

Rui Barreto agradeceu ao seu partido “pela força que tem manifestado, pelo ânimo que tem demonstrado e pela mobilização”que, certamente, se concretizará, nos próximos dias 25 e 26 de junho”.

“O CDS pode contar com os madeirenses e os madeirenses podem contar com o CDS porque o CDS é um partido confiável à Madeira”, concluiu Rui Barreto.

Recomendadas

Madeira: Expo Pecuária regressa à Ponta Delgada este fim de semana

O evento, que se realiza este fim de semana, dias 25 e 26 de junho, vai já na sua sétima edição, tendo sido cancelado em 2020 e 2021 devido à pandemia por Covid-19.

Madeira recebe evento de agentes de viagem de luxo

O evento será realizado no Reid’s Palace, a Belmond Hotel, e conta com o patrocínio da Associação de Promoção da Madeira, do Savoy Palace, do DMC Madeira, do Reid’s Palace e da Quinta Jardins do Lago.

Madeira: JPP insiste na redução do IVA da eletricidade

“Sendo um bem essencial e indispensável para a nossa vida, não faz qualquer sentido que a eletricidade continue a ser taxada com a taxa intermédia, quando todos sabemos que a eletricidade é um bem essencial, e como tal, terá de ser taxada à taxa mínima”, frisou.
Comentários