CDS Matosinhos critica “profunda insensibilidade” da Galp ao anunciar encerramento da refinaria

O CDS de Matosinhos considerou esta quarta-feira que o anúncio de encerramento da refinaria da Galp no concelho “em véspera natalícia” mostra uma “profunda insensibilidade” e exige conhecer as medidas que a câmara local vai tomar na defesa dos trabalhadores.

Em comunicado, a Comissão Política Concelhia do CDS de Matosinhos diz-se “desagradada com os moldes em que esta notícia foi transmitida” e questiona as justificações da administração da Galp.

“Este comunicado emitido na véspera natalícia veio causar uma grande ansiedade e angústia a todos os colaboradores [diretos e indiretos], mostrando assim uma profunda insensibilidade por parte da administração da Galp, o que nos leva a questionar as razões que motivaram esta tomada de decisão”, pode-se ler no comunicado.

Para a concelhia centrista de Matosinhos, a justificação sobre alterações estruturais dos padrões de consumo “não parece credível”, uma vez que, lê-se na nota, “existem duas fábricas dentro do complexo que são únicas [Aromáticos e Lubrificantes] e não existem no complexo de Sines”.

“Que solução irá a Galp apresentar para estas duas unidades? Irão ser deslocadas para Sines? Quanto aos seus colaboradores, irão ser transferidos ou compensados? Que aproveitamento vai ser feito dos terrenos após o desmantelamento do complexo? Torna-se urgente por parte da Câmara Municipal de Matosinhos a responsabilidade de responder a estas perguntas e apresentar as soluções completas”, questiona o CDS/Matosinhos, que aproveita ainda para “confortar todos os que foram afetados pelo comunicado da Galp”.

A Galp faz saber na segunda-feira que vai concentrar as suas operações de refinação e desenvolvimentos futuros no complexo de Sines e descontinuar a refinação em Matosinhos a partir do próximo ano, uma decisão que o Governo já afirmou que “levanta preocupações” em relação ao destino dos trabalhadores envolvidos, mas lembrando que as medidas anunciadas se inserem num processo que visa a descarbonização do setor energético.

A decisão da Galp de concentrar operações em Sines e descontinuar a refinação em Matosinhos a partir do próximo ano foi anunciada em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Nele se esclarece que a empresa “continuará a abastecer o mercado regional mantendo a operação das principais instalações de importação, armazenamento e expedição de produtos existentes em Matosinhos”, e que tem vindo a  “desenvolver soluções adequadas para a necessária redução da força laboral e a avaliar alternativas de utilização para o complexo”.

Os sindicatos lembram que estão em causa cerca de 500 postos de trabalho diretos, aos quais acrescem 1.000 indiretos.

Na terça-feira, o ministro do Ambiente, Matos Fernandes, considerou que a Galp “está obrigada a fazer mais do que a lei” no que diz respeito à situação dos trabalhadores da refinaria de Matosinhos, cujas operações serão descontinuadas a partir do próximo ano.

Antes, na segunda-feira, numa carta enviada ao gabinete do ministro, a câmara de Matosinhos liderada pela socialista Luísa Salgueiro exigiu esclarecimentos sobre que medidas excecionais serão ativadas pelo Governo para “prevenir o colapso” de empresas que dependem da refinaria da Galp localizada há 50 anos no concelho.

Vários partidos políticos solicitaram já uma audição, com caráter de urgência, do ministro do Ambiente e da Ação Climática.

Recomendadas
Carlos Moedas

Moedas diz que classe política “tem que dar o exemplo de devoção pelo bem comum”

O presidente da Câmara de Lisboa considerou hoje que o 1.º de Dezembro ensinou que a “classe política tem que dar o exemplo de devoção pelo bem comum”, não podendo fechar-se “sobre si mesma” ou considerar ser “imune à crítica”.

Costa apela para celebração da “força da bandeira nacional” em mensagem do Dia da Restauração

 O primeiro-ministro António Costa homenageou hoje a “memória dos que lutaram e contribuíram” para a restauração da independência de Portugal, apelando para a celebração da “soberania” e da “força da bandeira nacional”, numa mensagem evocativa do 1.º de dezembro.

Marcelo agradece a ciganos que “deram a vida pela independência” e lamenta discriminação

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lembrou hoje os ciganos que “deram a vida” pela independência nacional e lamentou a discriminação de que têm sido alvo em Portugal.
Comentários