CDS-PP acusa Governo de “remendar” responsabilidades com recurso ao estado de emergência

O deputado João Almeida defende que o estado de emergência é um “instrumento de fim de linha” e que não deve ser renovado “quase automaticamente”, por não ser tomadas as medidas necessárias.

joão_almeida_cds_pp
Cristina Bernardo

O CDS-PP afirmou esta quinta-feira que não está de acordo com a renovação do estado de emergência até 7 de janeiro, por considerar o Governo está a tentar “remendar” a sua responsabilidade com recurso a este estado de exceção. O deputado João Almeida defende que o estado de emergência é um “instrumento de fim de linha” e que não deve ser renovado “quase automaticamente”, por não ser tomadas as medidas necessárias.

“Estamos aqui para discutir a renovação do estado de emergência, ou seja, aquilo que era absolutamente excecional parece tornar-se normal. Mas não é. Não faz sentido abusar do estado de emergência nem torná-lo recorrente. O estado de emergência é um instrumento de fim de linha que tem de ser usado como tal”, disse João Almeida, no debate na Assembleia da República, sobre a renovação do estado de emergência.

João Almeida defendeu que, quando o estado de emergência é renovado “quase automaticamente”, é porque “as instâncias públicas, desde logo o Governo, não tomaram as medidas necessárias” para combater a pandemia e continuam “a remendar essa responsabilidade, recorrendo ao estado de emergência”.

Para o CDS-PP, o Governo tem falhado no combate à Covid-19 porque tem apresentado “medidas incompreensíveis”, como é o caso do encerramento dos restaurantes às 13h00, e “insuficientes”, nomeadamente as regras para as escolas. Além disso, João Almeida acusou o Governo de “tem a sua autoridade fragilizada”, devido às contradições da Direção Geral de Saúde (DGS) e aos atrasos no planeamento da vacinação contra a gripe.

O novo estado de emergência deverá vigorar de 24 de dezembro e 7 de janeiro. O projeto de decreto enviado pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ao Parlamento, permitir ao Governo estabelecer as “medidas a tomar durante os períodos de Natal e Fim do Ano”. Neste diploma, ao contrário dos anteriores, está previsto que a violação das normas do estado de emergência configura crime de desobediência.

Tirando isso, o decreto presidencial é semelhante ao anterior, prevendo a imposição das “restrições necessárias” nos municípios com “níveis mais elevados de risco” de forma a “reduzir o risco de contágio e executar as medidas de prevenção e combate à epidemia, devendo as medidas a adotar ser calibradas em função do grau de risco de cada município”, e a possibilidade de ser decretado novamente o “confinamento compulsivo”.

O decreto deverá ser aprovado com os votos de PS e PSD, que juntos somam mais de dois terços dos deputados.

Recomendadas

MAI diz que bombeiros vão cumprir apesar de discordarem de nova estrutura da proteção civil

Na reunião extraordinária do conselho nacional da LBP, foi aprovada a criação de zonas e sectores operacionais de bombeiros, prevendo-se que as federações, no prazo de 15 dias, apresentem ao conselho executivo da Liga uma proposta de metodologia de organização das zonas e dos sectores operacionais.

Vitor Ramalho confessa ter deixado o PS em 2012 em rutura com António Seguro

O ex-dirigente socialista lembra que a disponibilidade manifestada por António Costa para se candidatar a secretário-geral do PS só aconteceu depois, em 2014, após as eleições para o Parlamento Europeu.

Aeroporto: Jerónimo de Sousa acusa PS e PSD de adiarem decisão de localização

“PS e PSD estão a tentar entender-se para um novo adiamento da construção do novo aeroporto”, afirmou Jerónimo de Sousa aos jornalistas, à margem de uma visita a uma exploração agrícola na Lourinhã, no distrito de Lisboa.
Comentários