CDU repete cabeças de lista nas legislativas e deixa Setúbal para mais tarde

Jerónimo de Sousa, Diana Ferreira, João Oliveira, João Dias e António Filipe voltam a apresentar-se em cinco dos seis círculos onde a coligação elegeu deputados em 2019. Ainda sem cabeça de lista está Setúbal, que valeu dois mandatos ao PCP e um ao PEV.

A CDU anunciou nesta quarta-feira que irá repetir os seus cabeças de lista nas legislativas de 2019 nos círculos em que elegeu deputados, sendo a única exceção o de Setúbal, no qual não foi divulgado quem será o principal rosto da coligação que junta PCP e PEV. Entre os nomes de candidatos a deputados nas eleições antecipadas para 30 de janeiro de 2022 destaca-se o do secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, que volta a encabeçar a lista por Lisboa.

Tal como Jerónimo de Sousa, que há dois anos foi eleito, juntamente com os comunistas Alma Rivera e Duarte Alves e com Mariana Silva (do PEV), a deputada Diana Ferreira continuará a ser a cabeça de lista pelo Porto, círculo que representou nesta legislatura, tal como a também eleita Ana Mesquita.

Outros atuais deputados comunistas que voltam a encabeçar listas nas próximas legislativas são o atual líder parlamentar João Oliveira (Évora), João Dias (Beja) e António Filipe (Santarém). Mas também se repetem cabeças de lista que em 2019 não obtiveram votos suficientes para conquistarem um mandato na Assembleia da República, como a dirigente e ex-deputada do PEV Heloísa Apolónia (Leiria) e Herlanda Amado (Madeira).

Também foram anunciados como cabeças de lista da CDU Adelino Nunes, pelo círculo de Aveiro (após ser o terceiro da lista em 2019), Joaquim Celestino, por Viana do Castelo (tinha sido o último suplente nas anteriores legislativas) e Joana Carvalho, que é uma novidade absoluta pelo círculo da Europa.

A maior incógnita da CDU é o círculo de Setúbal, pelo qual a coligação elegeu três deputados em 2019, com o cabeça de lista Francisco Lopes a renunciar para a entrada de Bruno Dias, mantendo-se a comunista Paula Santos e o verde José Luís Ferreira.

Outros círculos pelos quais a CDU tem conseguido obter representação parlamentar incluem Braga e Faro, onde também não foram anunciados os cabeças de lista até ao momento.

Relacionadas

PCP apelou ao primeiro-ministro para que considere “remontar” aparelho de controlo da pandemia

“Não há uma alternativa à vacinação. Propomos ao Governo concretizar tempos, para vários sectores e camadas que existam e que considere a necessidade de remontar o aparelho de controlo da pandemia, para o caso de evolução deste processo”, disse Jerónimo de Sousa.

PCP diz que maioria absoluta do PS será sinónimo de recusa em dar respostas precisas

“Se houver maioria absoluta, o que isso significará é que haverá muito mais força à resistência e à recusa das medidas e das propostas que são precisas para que o país avance”, sustentou João Oliveira, nos Passos Perdidos da Assembleia da República.

Jerónimo de Sousa apela ao reforço do PCP na “batalha que aí vem”

O líder do PCP que o país “só não teve Orçamento porque o PS não quis”, acrescentando: “Não quis afrontar os interesses do capital.”
Recomendadas

José Luís Carneiro, das comunidades portuguesas no estrangeiro à Administração Interna

José Luís Carneiro é o novo ministro da Administração Interna e regressa a um ministério no qual já desempenhou o cargo de assessor entre 1999 e 2000. O antigo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas tem uma forte ligação ao poder local.

PS conquista dois mandatos do círculo da Europa e reforça maioria absoluta para 120 deputados

Depois de na primeira votação, a 30 de janeiro, PS e PSD terem conquistado um mandato cada um no círculo da Europa, na repetição da votação, o PS acabou por eleger o cabeça-de-lista pelo círculo, Paulo Pisco, mas também o segundo nome na lista, Nathalie de Oliveira.
eleições_legislativas_voto_urna_votar

Legislativas: Governo diz que votaram 152 emigrantes no fim de semana

Segundo o Governo “esse número representa um acréscimo de 31% face aos 116 cidadãos que exerceram o seu direito de voto presencial” a 30 de janeiro.
Comentários