Cecília Meireles critica listas: “O CDS está preso ao seu passado” (com áudio)

Cecília Meireles defendeu também que “o CDS está extraordinariamente fragilizado”, depois do líder do partido ter revelado a lista de candidatos a deputados.

Mário Cruz/Lusa

A deputada centrista Cecília Meireles considerou que o “CDS está preso ao seu passado” depois do líder do partido ter revelado a lista de candidatos a deputados para as eleições legislativas.

Em entrevista à “CNN”, Cecília Meireles defendeu que “o CDS está extraordinariamente fragilizado”. Quanto à lista de candidatos a deputados a centrista referiu que esta “não é uma renovação”. “Acho que é precisamente o CDS preso no seu passado e com toda a franqueza em questões que eu achava que tinham ficado resolvidas lá atrás”, destacou.

A atual lista de candidatos a deputados do CDS-PP, que conta com Francisco Rodrigues dos Santos como número um por Lisboa, não inclui nenhum dos elementos do atual grupo parlamentar. Em segundo lugar está um dos seus antecessores, José Ribeiro e Castro.

De recordar que Cecília Meireles, João Pinho de Almeida e Telmo Correia mostraram-se indisponíveis para continuar na Assembleia da República depois do adiamento do congresso do partido em que Nuno Melo iria concorrer contra Rodrigues dos Santos.

Além da indisponibilidade para continuar no Parlamento, Cecília Meireles anunciou, a 5 de novembro, ponto final na vida partidária. Para a centrista “tornou impossível exercer cargos em nome do CDS-PP depois de o atual líder do partido, Francisco Rodrigues dos Santos, a ter incluído num grupo que acusou de fazer “terrorismo político”.

Relacionadas

Francisco Rodrigues dos Santos e José Ribeiro e Castro são os candidatos por Lisboa do CDS-PP

Listas de candidatos a deputados do CDS-PP não incluem nenhum dos elementos do atual grupo parlamentar. Alguns dos conselheiros mais próximos do líder centrista e independentes aparecem em lugar de destaque em diversos círculos eleitorais.
Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

Cotrim de Figueiredo diz que a única certeza na TAP é a perda de dinheiro

O líder da IL comentava as declarações do primeiro-ministro, que disse, na quinta-feira, esperar que a privatização da TAP ocorra nos próximos doze meses.

Brasileiros fazem fila para votar em Lisboa na abertura das urnas

Caso nenhum dos candidatos obtenha a maioria de 50% mais um voto este domingo, a segunda volta realiza-se com os dois mais votados no dia 30.
Comentários