Celebrar a Consoada fora de casa

Cada vez mais os portugueses procuram verdadeiramente gozar as festas da quadra natalícia em convívio, mas evitando a azáfama das preparações caseiras. Por isso, o Jornal Económico selecionou algumas opções para quem deseja celebrar a Consoada fora de casa.

No Ânfora, restaurante do hotel NAU Palácio do Governador, em Lisboa, o Natal e Réveillon celebram-se à mesa num ambiente requintado e acolhedor, com vista para a Torre de Belém, complementado pelos saborosos e originais pratos assinados pela chef Vera Silva. Para a Consoada e Almoço de Natal, ambos disponíveis por 80 euros por pessoa, a chef propõe um menu composto por três entradas, dois pratos principais e sobremesa. Inicia-se a refeição com marmelo assado e queijo cabra da Maçussa, a que se segue o polvo num carpaccio e pimentos Padron e, por fim, vieira num leve creme de couve-flor e avelã caramelizada. Para os pratos principais, não falta o produto de eleição, numa versão sui generis, o bacalhau, um estufado de língua e timbal de couve, e também o tradicional cordeiro, o lombinho, cogumelos girolles e puré de abóbora fumada.

Para sobremesa, a sugestão é a sericaia de frutos vermelhos, que poderá ser conjugada com outras iguarias disponíveis no buffett de sobremesas natalícias.

Nos Altis Hotels, também em Lisboa, o Natal é festejado em família com deliciosas e surpreendentes refeições, acompanhadas de muita animação. Aqui pode optar pelo Altis Grand Hotel ou Altis Belém Hotel & Spa. Este último é um hotel de design de 5 estrelas com uma localização única em Lisboa, na zona histórica e cultural de Belém, junto ao rio Tejo. O hotel dispõe de um restaurante de Estrela Michelin com cozinha de autor, o Feitoria Restaurante & Wine Bar, a Cafetaria Mensagem e o Bar 38º41’.

O Grande Real Villa Itália Hotel & Spa em Cascais preparou os melhores serviços e presentes para tornar o seu Natal ainda mais especial. A ceia de Natal no restaurante Navegantes inclui: entradas, sopa; prato de peixe, prato de carne e vegetariano, acompanhamentos; sobremesas. O jantar será servido das 20h00 às 22h30. Caso opte pelo Belvedere Ristorante, a ementa incluirá couvert, amuse bouche; prato de peixe e prato de carne; pré-sobremesa; sobremesas; seleção de café, chá e petit fours e vinho do Porto. Também em Cascais, o restaurante Atlântico, que tem à frente o chef Miguel Laffan, propõe um menu para o jantar de 24 dividido em quatro fases. A primeira, chamada “Começar”, é feita de creme de lavagante e açafrão de Portalegre, o “Típico” é um cozido de bacalhau com couves grelhadas e chouriças, a “Revolução” é uma empada de caça e cogumelos com molho de assado trufado e, por fim, a “Explosão” com chocolate, nozes, caramelo e especiarias. Para o almoço, a proposta começa com uma terrina de foie gras de pato, granola crocante com citrinos e prossegue com um sabayon de vieiras e cogumelos silvestres. O prato principal é lombo de borrego assado, puré de batata-doce com mini legumes e para sobremesa o chef propõe um mil-folhas com creme de baunilha. Já no Natal do Porto Palácio, na Avenida da Boavista, as refeições são servidas em modo buffet, com entradas, saladas, sopas, pratos principais e sobremesas. tudo no plural. Na consoada, para pratos principais, há bacalhau cozido com todos, polvo assado no forno de cebolada, peru assado, bife Wellington e penne salteado com molho Alfredo.

Recomendadas

Premium“O desenho pode ser um ponto de partida para começar uma coleção”

“Os portugueses conhecem os seus artistas, respeitam-nos e valorizam-nos”. Palavra de curadora, que é também diretora da única feira dedicada ao desenho em Portugal. Mónica Álvarez Careaga fala ao JE na identidade muito própria da Drawing Room Lisboa e da sua crescente “portugalidade”, que considera ser o reconhecimento de “várias gerações de excelentes artistas” portugueses.

PremiumSom harmonioso

Desenvolvido em segredo, o Co-Axial Master Chronometer Calibre 1932 é o primeiro movimento de relojoaria do mundo a fundir as funções de cronógrafo e de repetidor de minutos, necessitando do seu próprio “cérebro” mecânico para fazer soar o tempo decorrido.

PremiumSobre a necessidade de reinvenção de um continente no século XXI

Uma reportagem recente de um consórcio nacional de jornalistas trouxe para a luz do dia a existência de um número verdadeiramente assustador de elementos das forças de segurança portuguesas que não honram a farda, semeando o ódio, incentivando à violência e demonstrando um feroz racismo, quer contra cidadãos de etnia cigana, quer contra negros.
Comentários