Celibato pode potenciar casos de abuso sexual na igreja

O presidente da Aliança Evangélica Portuguesa considera que o celibato pode ser potenciador da ocorrência de casos de abuso sexual dentro da Igreja. “Sendo a sexualidade algo de inato ao ser humano” as igrejas evangélicas propõem que “ela seja vivida no âmbito do casamento”.

O presidente da Aliança Evangélica Portuguesa (AEP), António Calaim

O presidente da Aliança Evangélica Portuguesa (AEP) admite que o celibato pode ser potenciador da ocorrência de casos de abuso sexual dentro da Igreja.

Em entrevista à agência Lusa, a propósito do centenário da AEP, que se comemora até abril de 2022, António Calaim diz que “a obrigação e a prática do celibato pode conduzir a isso, pode dar origem a um maior número” de casos.

Porém, não deixa de reconhecer que o celibato pode ser uma mais-valia para o exercício de um ministério, uma vez que dá a possibilidade de uma maior entrega à prática pastoral.

“O celibato pode ter a vantagem de a pessoa ter uma melhor dedicação a algumas áreas e a um ministério do que alguém que tem responsabilidades, como eu, que sou médico, casado e com responsabilidades familiares”, afirma, acrescentando, por outro lado, que, “sendo a sexualidade algo de inato ao ser humano”, as igrejas evangélicas propõem que “ela seja vivida no âmbito do casamento”.

Face aos casos que têm abalado a Igreja Católica nos últimos meses e questionado sobre como lidam as igrejas evangélicas filiadas na AEP com o eventual aparecimento de casos de abuso sexual de menores no seu seio, António Calaim revelou que a instituição tem “uma comissão de ética que ajuda nesta área”.

“Convidámos pessoas estimadas, pessoas com provas dadas, conhecedoras das escrituras, que nos ajudam nestas áreas e que estão disponíveis para ajudar. Se as comunidades locais não conseguirem resolver dentro de si mesmas este assunto, podem sempre pedir ajuda à Aliança e nós teremos pessoas para ajudar nesta análise”, diz António Calaim, que assegura que, em paralelo, e em caso de alguma suspeita de abuso, as autoridades judiciais são “de imediato contactadas”.

Recorrendo ao exemplo da prática na profissão que exerce, enfatiza: “É como o que se passa com os médicos. Se tiverem conhecimento de algo que não esteja de acordo com as leis devem denunciá-lo às autoridades. Acontece o mesmo com os pastores ou com os membros da Igreja”.

Recomendadas

Músicos afegãos refugiados apresentam-se hoje ao vivo no festival Iminente em Lisboa

 Na génese deste projeto está a cooperativa cultural Largo Residências, de Lisboa, distinguida no ano passado com o prémio da Acesso Cultura na categoria de Acessibilidade Social.

Portugal está na frente na diretiva sobre plásticos de uso único

“Portugal está no pelotão da frente porque já transpôs grande parte” da diretiva e propôs até medidas bastante ambiciosas, por exemplo, em termos de redução de copos de bebidas e embalagens de plástico para ´take away´ (redução de 80% até final de 2026 e de 90% até 2030, tendo por referência os valores de 2022), diz o comunicado da Zero.
Comentários