Centeno admite que recapitalização da CGD só em 2017

O aumento de capital em dinheiro e a emissão das obrigações subordinadas só avança em 2017, diz Centeno.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

O Ministro das Finanças que está no Parlamento a debater o Orçamento de Estado acaba de assumir que a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos só ocorrerá no próximo ano.

O Jornal Económico diz na sua edição de hoje que o aumento de capital iria derrapar para 2017, por falta de tempo para fazer a emissão de obrigações subordinadas.

O ministro diz que “a capitalização da CGD é algo absolutamente essencial para a estabilização do sistema financeiro português, crucial para o sucesso da economia” e garante que ela “está aprovada”, mas para logo depois dizer que: “A capitalização da CGD é um processo em curso, que está aprovada, que tem um conjunto de medidas importantes para a CGD e irá decorrer – a injeção pública de capital – no ano 2017”.

Tal como avança o Jornal Económico de hoje, a emissão de subordinadas tem de acompanhar a emissão de novas ações e como tal o aumento de capital em dinheiro só se poderá fazer em 2017.

A ideia inicial era que o plano de capitalização avançasse já este ano.

Em causa está a emissão de 2,7 mil milhões de novas ações da CGD a subscrever pelo Estado e a emissão da primeira tranche das subordinadas de 500 milhões de euros.

 

 

Relacionadas

Aumento de capital da CGD em risco de derrapar para 2017

A emissão de obrigações subordinadas, que tem de acompanhar o aumento de capital, ainda não está no regulador.
Recomendadas

Prestação da casa sobe entre 108 e 251 euros em dezembro

A prestação da casa paga pelos clientes bancários no crédito à habitação vai subir acentuadamente este mês nos contratos indexados à Euribor a três, seis e 12 meses, face às últimas revisões, segundo a simulação da Deco/Dinheiro&Direitos.

Compras das festividades aconteceram mais cedo e serão maiores este ano, segundo a Meta

Alguns dos motivos que podem explicar este acontecimento é o facto de os consumidores estarem preocupados com a escassez de bens, antecipando a compra dos presentes desejados, enquanto as empresas com excesso de stock procuraram eliminá-lo com grandes descontos.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo Pierre Gramegna lidera MEE a partir de hoje

Numa reunião realizada à distância na passada sexta-feira, o Conselho de Governadores do MEE, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, decidiu nomear o luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor executivo do fundo de resgate da zona euro.
Comentários