Centeno contra bónus no Novo Banco em 2021: “Ainda vamos a tempo de corrigir esta situação”

Ministro das Finanças enalteceu decisão do Fundo de Resolução ter descontado os dois milhões de euros na injeção que fez o Mecanismo de Capital Contingente por conta das perdas de 2019 e disse esperar que haja uma “empatia” sobre o enquadramento sobre qual estas decisões são tomadas no Novo Banco e “ela seja adequada a esta matéria também”.

Cristina Bernardo

O ministro das Finanças espera que o Novo Banco volte atrás sobre a atribuição dos prémios de remuneração em 2021, que opôs o Fundo de Resolução à entidade liderada por António Ramalho. Mário Centeno apelou a uma “empatia” sobre o atual contexto, frisando a recomendação da Autoridade Bancária Europeia sobre a distribuição de dividendos e bónus.

“Há uma política de remunerações em todas as instituições. São assumidas no período normal, não estamos num período normal nem no enquadramento dessas instituições, nem nos desafios que se lhe colocam internamente. A própria EBA emitiu recomendações no sentido, quer em relação aos dividendos, quer em relação às remunerações dos gestores bancários de uma linha de orientação com a qual o Governo concorda. Essa linha de orientação foi exatamente aquele que o acionista Fundo de Resolução transmitiu no seio do Novo Banco”, disse o ministro da tutela, numa audição na Comissão de Orçamento e Finanças, no Parlamento, esta terça-feira.

Questionado pelo deputado socialista Fernando Anastácio sobre o assunto, Mário Centeno frisou que “apesar da questão dos prémios só serem devidos em 2021, penso que como as empresas, as instituições vão acompanhando a evolução dos tempos nas suas decisões”.

“Tomando conta de todas as variáveis no seu entorno consideraria que ainda vamos a tempo de ser corrigida esta situação nos órgãos decisórios normais, obviamente do Novo Banco e que haja aqui uma “empatia” ou entendimento sobre qual é o entorno, o enquadramento sobre qual estas decisões são tomadas no Novo Banco e ela seja adequada a esta matéria também”, vincou.

Realçou ainda que “a decisão do Fundo de Resolução, que também foi informado o Governo e com a sua concordância de redução da injeção de capital para não cobrir esta verba que penaliza as contas do Novo Banco em 2019, é um passo nessa direção e esperamos que seja tido esse bom senso neste momento tão difícil, em que a colaboração de todos é necessária”.

O jornal “Expresso” noticiou que a instituição liderada por Luís Máximo dos Santos descontou dois milhões de euros na injeção que fez o Mecanismo de Capital Contingente por conta das perdas de 2019, depois do Conselho de Administração do Novo Banco ter proposto um bónus em 2021.

O Novo Banco propôs em 2019, a título diferido e condicionado, o pagamento de uma remuneração variável aos membros da administração executiva no valor de 1,997 milhões euros, “em função da avaliação individual e coletiva da sua performance”, segundo o relatório e contas.

Relacionadas

Processo para uma nova auditoria ao Novo Banco já arrancou, anuncia Centeno

Ministro das Finanças diz que da lei 15 de 2019 e da auditoria especial não decorre qualquer condicionalidade sobre as transferências ao abrigo do mecanismo de capital contingente. Justifica que a transferência de 850 milhões de euros estava prevista no OE2020 e decorre do contrato.

Redução de dois milhões relativa ao bónus da administração do Novo Banco não abateu ao empréstimo do Estado

À medida que se aproxima o limite contratual do mecanismo de capital contingente, que é de 3,89 mil milhões de euros, as divergências entre o Novo Banco e o Fundo de Resolução parecem acentuar-se. Agora foi a provisão que o banco constituiu para pagar “um bónus pelo bom trabalho” à administração executiva no futuro. O Fundo de Resolução abateu à injeção de capital que fez para o Novo Banco, mas o empréstimo do Estado manteve-se nos 850 milhões.
Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários