Centeno: “Défice do terceiro trimestre cumpre os objectivos”

“O desempenho das contas públicas reforça o compromisso do Governo com as metas estipuladas”, diz Ministério das Finanças em comentário aos dados do INE.

Cristina Bernardo

O Ministério das Finanças acaba de enviar um comunicado a elogiar o comportamento do défice no terceiro trimestre. De acordo com os números hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística, no terceiro trimestre, o défice das Administrações Públicas desceu para 1,7% do PIB.

“Este sólido resultado foi conseguido num trimestre em que os reembolsos de IRS, IRC e IVA excederam em 445,2 milhões de euros os do ano anterior.”

“Nos três primeiros trimestres do ano, o défice acumulado foi de 2,5%, continuando a reduzir-se face ao observado até ao trimestre anterior (2,9%). Note-se que neste período os reembolsos de IRS, IRC e IVA superaram em 840,5 milhões de euros os registados no período homólogo de 2015”, diz o Governo.

Em conformidade com o que tem vindo a ser divulgado mensalmente na síntese da Direção-Geral do Orçamento, a despesa pública registou um decréscimo de 1,1%, significativamente abaixo do valor anual previsto no Orçamento do Estado de 2016. A receita cresceu 0,8%, numa evolução positiva e superior à da despesa, explicou o gabinete de Mário Centeno.

“O desempenho das contas públicas reforça o compromisso do Governo com as metas estipuladas”, diz Mário Centeno em comunicado.

O Ministério aproveita os dados do INE para criticar previsões mais pessimistas.

“Paulatinamente, trimestre após trimestre, ultrapassam-se assim as previsões infundadas de algumas instituições nacionais e internacionais e de alguns analistas de mercado. A credibilidade do processo orçamental português sai desta forma reforçada com estes resultados”.

” O sucesso do esforço de execução orçamental, que permitirá ao país sair do Procedimento por Défice Excessivo, deve-se à ação coordenada de todos”, diz nota.

“Os dados económicos e financeiros evidenciam uma melhoria em 2016. O crescimento económico acelerou ao longo do ano (0,2%, 0,3% e 0,8%, em cadeia, nos três primeiros trimestres); o excedente da balança de bens e serviços melhorou 1.041,7 milhões de euros até setembro; a taxa de desemprego caiu 1,4 pontos percentuais em termos homólogos; e, simultaneamente, o emprego aumentou 1,9%, também em termos homólogos”, diz o gabinete do Ministro.

“Em conjunto com a consolidação orçamental, estes dados são a demonstração de que a economia portuguesa se encontra num processo de crescimento sustentável. Os próximos trimestres deverão confirmá-lo, como revela a informação económica e orçamental já disponível para o 4o trimestre, o que reforça a confiança dos portugueses”, conclui Finanças.

O Governo entretanto divulgou que o perdão fiscal, cujo prazo de adesão termina a 23 de Dezembro, já rendeu cerca de 400 milhões de euros, o que contribuirá com cerca de 0,26 pontos para a redução do défice orçamental deste ano.

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários