Central de gás de Gondomar celebra bodas de prata com olhos postos no hidrogénio verde (com áudio)

Contrato da central da Turbogás à beira Douro termina em 2024, com a empresa a estudar já projetos futuros.

A central de ciclo combinado da Tapada do Outeiro celebra hoje as suas bodas de prata. Mas o futuro da central vai ter de ser decidido nos próximos dois anos, pois o Contrato de Aquisição de Energia (CAE) termina no final do primeiro trimestre de 2024.

A central é atualmente a maior do país em termos de potência (990 megawatts) e o projeto representou um investimento de 700 milhões de euros. Apesar do primeiro a gás ter tido lugar em dezembro de 1997, a entrada em serviço industrial teve lugar no final de 1999. A efeméride vai ser hoje celebrada num evento que conta com a participação do ministro do Ambiente Duarte Cordeiro.

Para o pós-2024, o “grupo TrustEnergy está a trabalhar no desenvolvimento de um projeto de hidrogénio verde, que a ser implementado, tornará possível a descarbonização gradual da central da Tapada do Outeiro, constituindo-se ainda como um projeto âncora em matéria de produção de hidrogénio verde para outras indústrias”.

A central é detida pela sociedade Turbogás que por sua vez é detida pela TrustEnergy, detida pelos japoneses da Marubeni e pelos franceses da Engie.

“No contexto atual da transição energética, com grande penetração de energia renovável intermitente, a Central da Tapada do Outeiro, desempenha um papel determinante na garantia da segurança do abastecimento, com a sua capacidade de black start após um apagão geral da rede, e no fornecimento de demais serviços essenciais ao sistema elétrico nacional”, destaca a empresa.

“Esta central, reúne as condições técnicas necessárias à implementação das novas tecnologias em desenvolvimento, como a do hidrogénio verde, e passados 25 anos poderá voltar a assumir de novo um caminho pioneiro e imprescindível na transição energética”, defende a TrustEnergy.

A companhia avança que “poderá promover a descarbonização gradual da central da Tapada do Outeiro, constituindo-se ainda como um projeto âncora em matéria de produção de hidrogénio verde utilizável noutros projetos, ao mesmo tempo que poderá continuar a assegurar outras valências, essenciais e indispensáveis a uma gestão eficiente e segura da rede elétrica nacional”.

O projeto de produção de hidrogénio verde em estudo para este local “integrou a candidatura nacional ao IPCEI e foi um dos selecionados pela Fuel Cells and Hydrogen Joint Undertaking para a primeira European Hydrogen Week, que decorreu em finais de 2020, dedicada ao papel essencial do Hidrogénio para cumprir o compromisso da UE de atingir a neutralidade de carbono até 2050”.

“Olhando os anos vindouros com a confiança de um projeto de futuro, a central da Tapada do Outeiro continua a ocupar um papel de destaque em termos da segurança e fiabilidade da rede elétrica nacional”, disse em comunicado José Grácio presidente executivo da TrustEnergy.

A empresa conta com a segunda maior potência instalada em Portugal e é a quarta maior operador eólica, a TrustWind.

A Trustenergy também detém 50% da central a carvão do Pego, a Elecgas com 840 megawatts, com os outros 50% a serem detidos pela Endesa. As duas empresas também eram sócias na central a carvão do Pego, mas a Endesa venceu o concurso para explorar o ponto de ligação que pertencia a esta central.

 

Recomendadas

Venezuela prepara acordos com petrolífera Chevron após alívio de sanções

A Venezuela anunciou hoje que vai assinar, nas próximas horas, acordos com a petrolífera norte-americana Chevron para impulsionar o desenvolvimento local de empresas mistas (capital público e privado) e a produção de petróleo.

“Via Verde rejeita categoricamente qualquer acusação de burla” que circule no Portal da Queixa

“Sempre que um cliente passa numa portagem e a transação falha, a Via Verde comunica diretamente com o cliente a dar conta de um eventual problema”, justifica. “Este alerta visa sempre proteger os clientes. Se o problema for confirmado, o cliente pode subscrever um plano Via Verde ou, se assim preferir, comprar um identificador novo”, esclarece fonte oficial da empresa ao JE.

ORES Portugal compra três hipermercados por 26,2 milhões que alugará ao Continente

Os três ativos imobiliários são objeto de contratos de arrendamento de longa duração com o Continente, do grupo Sonae, segundo um comunicado da SIGI do Bankinter e da Sonae Sierra.
Comentários