Centro de impressão 3D para próteses e dispositivos de apoio abre na FCT NOVA

O 3D Printing Center for Health junta medicina e engenharia para criar próteses de membros superiores e também dispositivos de apoio para facilitar gestos tão simples como usar uma chave. Neste projeto pioneiro na área da saúde em Portugal, a Faculdade conta já com vários parceiros, mas quer alargar a rede.

Neste centro não há papel, nem se fazem fotocópias. Usam-se ácido polilático, resina e termoplástico elastómero para imprimir próteses e dispositivos que serão implantados em pessoas que perderam um dedo ou uma mão ou têm qualquer outro tipo de disfunção.

“Fazemos recurso à impressão 3D, através da integração de conhecimentos interdisciplinares nas áreas da medicina e das engenharias”, adianta Cláudia Quaresma, investigadora e coordenadora do 3D Printing Center for Health, ao JE Universidades.

Na genesis do centro estão três instituições de investigação da NOVA School of Science and Technology | FCT NOVA, onde se localiza — Laboratório de Instrumentação, Engenharia Biomédica e Física das Radiações, Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Engenharia Mecânica e Industrial e FCT FabLab. Pioneiro em Portugal, o centro tem como foco ser uma referência nacional e internacional para a saúde e independência funcional, contribuir para o desenvolvimento de próteses, produtos de apoio e criação de dispositivos baseados em técnicas de impressão 3D.

A equipa é transdisciplinar e o ambiente colaborativo envolve todos os intervenientes: doentes, prestadores de cuidados informais, profissionais de saúde e investigadores. A sua abordagem está centrada no utilizador. “Todas as pessoas podem ter acesso ao 3D Printing Center for Health”, diz Cláudia Quaresma. Para o garantir, é fundamental uma boa rede. “Temos vários parceiros clínicos e não clínicos, porém temos todo o interesse em ampliar as nossas parcerias”, adianta. Explica que qualquer entidade pode ser parceira, desde persiga o objetivo de ajudar o maior número de pessoas com algum tipo de limitação ou disfunção. “Neste momento, e para conseguirmos dar mais resposta a um maior número de pessoas, precisamos de mais instituições que se juntem a nós em forma de mecenato”, acrescenta.

No grupo dos parceiros clínicos contam-se vários hospitais — Curry Cabral, D. Estefania, Garcia de Horta e o Centro de Medicina e Reabilitação do Alcoitão. Nos parceiros destaca-se o American Corner.

“O trabalho desenvolvido pelo centro visa a criação ou identificação dos modelos mais adequados para as próteses, tecnologias de apoio ou outros dispositivos existentes, impressos em 3D, com o apoio das instituições parceiras”, explica Cláudia Quaresma. “Imprimir um dispositivo depende muito do seu tamanho e da sua complexidade”, adianta a investigadora. A impressão de uma prótese de mão, por exemplo, pode levar cerca de 10 horas, porém se for um dispositivo de apoio à escrita, demora entre duas a quatro. Os materiais usados vão ao encontro do objetivo de cada uma das peças e são sempre escolhidos em parceria com os parceiros clínicos e as pessoas que os vão utilizar.

A FCT NOVA, além de promover a prestação de serviços úteis na área da saúde à comunidade, quer com este projeto identificar e criar novos materiais e metodologias de design, tecnologias e equipamentos de impressão 3D. O Centro arrancou com dois projetos específicos que criam dispositivos de apoio para pessoas de todas as idade e marca o início de uma nova esperança para quem sofre.

Recomendadas

Português João Redondo preside a Aliança das Instituições de Ensino Superior Não Estatais na Europa

A EUPHE representa cerca de 700 instituições universitárias e politécnicas particulares e cooperativas, nas quais estudam 1,5 milhões de estudantes em países como a França, Alemanha, Espanha, Áustria, Irlanda, Polónia, Eslovénia e Portugal.

A emocionante viagem de Nuno Bicho no rasto do Homo Sapiens

O investigador português, vice-reitor da Universidade do Algarve, está de regresso a Moçambique. Nesta descoberta pelos vales do Save e do Limpopo faz-se acompanhar por uma equipa multidisciplinar para comprovar, através da arqueologia, o modelo genético de que as populações humanas da África Austral foram a génese da migração da nossa espécie.

Politécnico de Viana do Castelo cria centro de investigação de 6,5 milhões para economia azul

Projeto para a construção do edifício aguarda financiamento do PT2030. Objetivo é que seja construído no próximo ano e entre em funcionamento em 2024.
Comentários