Centro histórico representa 70% do alojamento local no Porto

Estudo realizado pela consultora imobiliária Predibisa analisa o mercado de alojamento na cidade ‘invicta’, com destaque para o alojamento local, que aponta para um crescimento de 30% no número de registos, face ao ano passado, no centro da cidade.

portoO centro histórico da cidade do Porto concentra 70% do alojamento local motivado pelo crescimento do fluxo turístico, segundo um estudo elaborado pela Predibisa, que analisou o mercado de alojamento na cidade ‘invicta’, nas vertentes das residências universitárias, unidades hoteleiras e alojamento local.

Segundo a consultora imobiliária nos últimos seis anos o centro histórico do Porto viu desde 2012, mas com especial incidência nos últimos dois anos, a procura no mercado residencial centrar-se nas tipologias T0 a T2, com vista sobretudo ao alojamento local.

Dos edifícios negociados para este tipo de habitação destacam-se os serviced apartments, um conceito que alia o arrendamento de curta/média duração ao fornecimento de serviços, cujos públicos-alvo são turistas a lazer e negócios, bem como estudantes e investigadores.

O ano passado foi o que maiores registos obteve em termos de alojamento local, com a zona histórica da cidade a ser a mais procurada, apontando as previsões para que os registos deste ano sejam 30% superiores aos de 2017. Nas restantes zonas do Porto os números indicam um incremento de 50% face ao último ano.

Residências para estudantes com oferta escassa

Se no alojamento local o mercado corre de maneira favorável, o mesmo não se passa em relação aos alunos do ensino superior. No Porto o número de estudantes universitários tem vindo a descer, mas em contrapartida o número de estudantes estrangeiros aumentou, tendo atingindo um total de 5.890 no ano letivo de 2016/2017, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística.

Este estudo mostra que nas residências universitárias privadas, os valores por quarto variam entre os 190 e os 300 euros e os apartamentos/estúdios entre os 260 e os 460 euros. Por sua vez, os preços dos quartos em apartamentos arrendados por privados, variam entre os 100 e os 350 euros e os apartamentos para arrendamento, entre as tipologias T0 e T1, têm valores a partir dos 370 euros.

Setor hoteleiro cresce de modo sustentável

No que toca as unidades hoteleiras o estudo da Predibisa mostra que a procura por hotéis tem registado uma evolução positiva nos últimos dois anos, com as maiores taxas de ocupação a verificarem-se nas unidades de cinco e quatro estrelas e as menores nos de três estrelas.

Os hotéis de cinco estrelas têm um preço médio diário que ronda os 230 euros, sendo que os valores de algumas unidades deste tipo de classificação estão muito próximos dos praticados nos de quatro estrelas. Estas unidades apresentam valores médios de 120 euros por noite e são os que mais oferta hoteleira têm no centro da cidade.

Rita Seixas, responsável pelo departamento de Research da Predibisa, sublinha que “este estudo visa olhar com mais pormenor para o mercado de alojamento do Porto. O crescimento do turismo, que tem alavancado o alojamento local e a hotelaria, a par do forte incremento em projetos de reabilitação, bem como o aumento do número de estudantes estrangeiros, que fomenta o mercado de residências de estudantes, vão certamente continuar a dinamizar o mercado do Porto, criando um mix residencial cada vez mais atrativo e diversificado e que atrairá clientes e novos operadores”.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Títulos de dívida pública desvalorizaram-se 35,4 mil milhões de euros em 2022, destaca BdP

“Um dos destaques do ano de 2022 foi a evolução distinta das cotações de ações e de títulos de dívida pública. Por um lado, assistiu-se à desvalorização dos títulos de dívida pública nacional em 35.400 milhões de euros. Por outro, as ações cotadas nacionais valorizaram-se 2.500 milhões de euros”, avança o banco central.

Bruxelas paga 1,8 mil milhões a Portugal no âmbito do PRR

Em comunicado, a Comissão Europeia adianta que o pagamento de hoje “foi possível graças ao cumprimento de Portugal nos 20 marcos e alvos relacionados com a segunda parcela”. 
Comentários