Century 21 registou 846 milhões em volume de negócios no primeiro trimestre

Este valor representa um crescimento de 76% em relação ao período homólogo de 2021. Já o número de transações também verificou um aumento de 54%, tendo o valor médio de venda a nível nacional se fixado nos 179 mil euros.

Ricardo Sousa, CEO Century21 Portugal

A Century 21 registou um volume de negócios de 846 milhões de euros no primeiro trimestre de 2022, o que representou um crescimento de 76% em relação ao período homólogo do ano anterior, de acordo com os dados revelados pela rede imobiliária esta sexta-feira, 20 de maio.

Também a faturação apresentou um aumento de 65 % em comparação com o período homologo do ano anterior, tendo ultrapassado os 21 milhões de euros.

Já o número de transações realizadas foi de 4.727, um aumento de 54% (3.065), sendo o valor médio de venda a nível nacional fixou-se nos 179 mil euros, o que representou uma subida homóloga de 14,3%. Em relação aos investidores, o mercado nacional teve um peso de 83% no número de transações, face aos 17% do investimento estrangeiro, onde se destacaram os clientes de França, Reino Unido, Brasil, Bélgica e Estados Unidos.

No que diz respeito ao mercado de vendas por distrito, Lisboa, Setúbal, Coimbra, Porto, Leiria e Faro foram os mais procurados para habitação, em particular apartamentos de tipologias T2 e T3. O distrito algarvio foi no entanto o que registou um maior aumento (14%) do preço médio de venda (180 mil euros), seguido por Coimbra com uma subida
média dos preços de 13% (141 mil euros).

Já no segmento de arrendamento, as operações da Century 21 fixaram-se nas 1.069 transações, um aumento de 47% (721) em relação ao trimestre homólogo de 2021. O valor médio de arrendamento de apartamentos fixou-se nos 936 euros, o que representou um crescimento de 9,4 % face à média de 855 euros registada no mesmo período do ano anterior.

Em termos de distritos, a região onde a média dos valores de arrendamento mais caiu foi em Faro, com a renda mensal a fixar-se nos 691 euros, quase menos 3,5% do que a média de 716 euros registada no mesmo período do ano passado, enquanto em Coimbra o arrendamento médio mensal registou uma ligeira descida de 1,15% para se fixar nos 518 euros.

Em sentido inverso, Leiria verificou um aumento de 16,6% no valor médio do arrendamento, seguido dos distritos de Setúbal com um aumento de 12,24% e Porto com os valores médios da renda a crescerem 12,21% e a superar os 809 euros, nos primeiros três meses do ano. Já Lisboa registou uma evolução do valor médio do arrendamento superior a 9,5% e a média das rendas na capital é agora de 1.074 euros.

Ricardo Sousa, CEO da Century 21 Portugal, explica que “o mercado imobiliário residencial registou um ano incrível em 2021, iniciou o ano de 2022 com melhores perspetivas do que no ano anterior e os indicadores do primeiro trimestre deste ano demonstram isso mesmo. Mas é bom entender que este mercado é, e será cada vez mais, exigente e gera desafios constantes aos profissionais do setor imobiliário. Os mercados funcionam por ciclos, expansão, correção, depressão e recuperação – o que significa que um ciclo de correção e depressão vai chegar”.

Recomendadas

Bloomberg: Novobanco escolhe shortlist de potenciais compradores para a sede

O Novobanco já pré-selecionou a shortlist de candidatos à compra da sua sede em Lisboa, avança a Bloomberg que cita fontes familiarizadas com o assunto. A Vanguard passou à fase das propostas vinculativas.

Grupo CVM investe 140 milhões de euros até 2024 na Área Metropolitana do Porto

Ao todo vão ser construídos 15 edifícios, num total de 825 frações, sendo que 425 já estão em construção com as restantes 400 a terem início até final do primeiro trimestre de 2023.

Interesse de estrangeiros na compra de casa em Portugal aumenta 29%

A maioria dos estrangeiros que procuram casa em Portugal estão interessados em comprar casa em Lisboa, Porto, Braga, Leiria e Aveiro.
Comentários