CEO da Altice Portugal diz que 5G está atrasado e acusa Anacom de “levar operadores ao limite para falharem”

“No 5G, Espanha, Suíça, Alemanha  e Inglaterra já  lançaram o serviço.  Itália e Áustria já fizeram o leilão das frequências e em Portugal nem sabemos o que vai acontecer”. Ao JE, à margem de uma visita à Feira de São Mateus, em Viseu, o presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, falou ainda sobre a Televisão Digital Terrestre e comentou as negociações exclusivas entre Prisa e Cofina pela dona da TVI.

O presidente  da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, também considera que o 5G vai chegar mais tarde ao país do que o previsto pela Autoridade Nacional das Comunicações (Anacom) prevê, apesar das diretivas europeias. O gestor acredita, ainda, que o regulador tenta “levar ao limite os operadores para que eles aparentemente falhem”.

“É evidente que nós estamos atrasados no 5G”, afirmou Alexandre Fonseca ao Jornal Económico, no sábado à noite, 31 de agosto, à margem de uma visita à Feira de São Mateus, em Viseu, onde a empresa é parceira oficial e tecnológica tecnológica.

“O que podemos tentar fazer é, mais uma vez, condensar tudo o que há a fazer para que em quatro cinco meses seja feito tudo o que deveria ter sido feito num ano”, acrescentou  o CEO da empresa de telecomunicações.

“Que estamos atrasados é evidente. Portugal foi dos primeiros países europeus a lançar as gerações de rede móvel anteriores, somos líderes em fibra ótica, o país  sempre liderou todas as vagas tecnologicas nas telecomunicações. No 5G, Espanha, Suíça, Alemanha  e Inglaterra já  lançaram o serviço.  Itália e Áustria já  fizeram leilão  das frequências e em Portugal nós  nem sabemos o que vai acontecer”, prosseguiu.

O gestor admitiu, por isso, estar “extremamente preocupado” com o impacto que o referido atraso da implementação do 5G terá  na economia do país.

Portugal corre atrás do prejuízo? “Obviamente que podemos queimar etapas, fazer tudo de forma atabalhoada, pressionar os operadores para terem as coisas mal feitas para que haja problemas. Muitas vezes, tenho a sensação  que este regulador tenta levar ao limitar os operadores para que, aparentemente, falhem, para depois o regulador dizer que os operadores são  entidades que não têm competência”, respondeu.

O CEO da Altice lembrou ainda que o Governo, pelo que foi anunciado  em maio, vai apresentar, publicamente, no dia 13 de setembro a estratégia e o calendário nacional do 5G. Contudo, disse ao JE ainda não ter qualquer informação sobre esse pronunciamento ou estratégia governamental  para o 5G.

“Zero, não  temos qualquer conhecimento sobres as faixas de espectro, sobre qual é o timing ou do mecanismo de atribuição do espectro – se é leilão ou outro. Nada, temos completa escuridão sobre o plano do 5G”, criticou.

O gestor considerou que o país já se encontra numa fase em que procura “minimizar os danos” do mencionado atraso.

Altice falará sobre Televisão Digital Terrestre depois da consulta pública 

Antes de chegar o 5G, em junho de 2020 (data prevista pelo regulador com base em diretivas da União Europeia) terá de ser resolvida a questão da Televisão Digital Terrestre (TDT), que ainda ocupa a faixa do espectro (700Mhz) destinada ao 5G. Por isso, o regulador determinou comecar a libertar a faixa dos 700Mhz a partir do dia 1 de outubro

A Altice Portugal, dona da Meo que opera o serviço  TDT, tem vindo a discordar do regulador nesta matéria.

“Nós estamos ainda em fase de consulta publica, que vai terminar em meados de setembro e depois nós iremos pronuciar-nos. Mas a consulta pública já dá  indícios de que todas as recomendações que a Altice, faz há quase um ano, ao regulador foram ignoradas”, disse Alexandre Fonseca.

Ao JE, o gestor criticou a Anacom por, “aparentemente, tentar recuperar o tempo perdido, por sua única responsabilidade, e reduzir o calendário para a execução  de um processo que é  complexo, esquecendo aquilo que é  o apoio aos utilizadores finais da TDT, tradicionalmente,  com alguma iliteracia digital e que, por isso, vai ter dificuldades  em fazer a sintonia”.

TVI? “Espero que não haja dois pesos e duas medidas”

Instado ainda a comentar as negociações exclusivas que ocorrem entre a Prisa e a Cofina pela participação acionista da Media Capital, dona da TVI, Alexandre Fonseca, considerou trata-se “um sinal da consolidação do setor dos media, fora do setor das telecomunicações”.

Ainda assim, afirmou: “A única coisa que espero é que as autoridades não  voltem a correr o mesmo erro, de demorar um ano a fazer uma análise inconclusiva. E se há um ano [quando a Autoridade da Concorrência chumbou a compra da Media Capital pela Altice] houve um conuunto de preocupações manifestadas naquela altura, que haja agora a mesma abordagem que houve quando apresentamos a nossa proposta. Ou seja, que não haja dois pesos e duas medidas. Espero que haja a mesma competência e rigor e mais celeridade, com um bocadinho mais de experiência e conhecimento.

Viseu é  “peça fundamental” na aposta da Altice no interior de Portugal 

Este é  o terceiro ano que a Alice Portugal patrocina a Feira de São Mateus. Com esta parceria, a Altice assegurou até hoje o consumo de sete terabytes de tráfego wi-fi na Feira de São Mateus, número que já superou o consumo total verificado na edição de 2018. Por isso, a operadora de telecomunicações determinou para o evento a instalação de mais de três quilómetros de cabos de fibra ótica e de rede, reforçou a rede de wi-fi com dezenas de pontos de acesso e instalou equipamentos que permitem interligar câmaras de vigilância, torniquetes de gestão de entradas, computadores e terminais de pagamentos automáticos.

A rede móvel foi também reforçada, tendo sido aumentada a sua capacidade com disponilibização de tecnologia 4,5G.

Em plena Feira de São Mateus, Alexandre Fonseca, vincou a satisfação pela empresa que dirige ser parceira de um evento com”projeção nacional e internacional”.

“É também por isso que a Altice Portugal reforça, ano após ano, esta parceria tecnológica e este apoio. para nós, nenhuma região é estranha e Viseu muito menos. Neste sentido, o investimento nesta cidade e neste distrito tem sido uma peça fundamental do compromisso, cada vez mais sólido da Altice Portugal com o interior do país”, acrescentou.

A Feira de São Mateus começou no dia 8 de agosto e decorre até ao dia 15 de setembro. Ao dia de hoje, o número  de visitantes ronda os 700 mil. Na edição de 2018, a Feira de São Mateus recebeu mais de um milhão de visitantes em 39 dias de atividade.

Relacionadas

Altice acusa Anacom de causar caos na TDT com migração para 5G

Regulador desmente Altice e diz que os prazos de migração estão a ser cumpridos. Operadora diz não conhecer calendário para o 5G, que vai obrigar todos os clientes de Televisão Digital Terrestre (TDT) a sintonizar de novo os canais.

PremiumVodafone e NOS colocam pressão sobre venda da rede da Altice

Operadoras relançam parceria para fibra ótica no momento em que a Altice negoceia a venda da rede do MEO com o argumento de que poderá ser aberta aos concorrentes. Altice acusa rivais de jogada de “marketing”.

Prisa confirma negociações “em regime de exclusividade” com Cofina pela Media Capital

A Prisa e a Cofina encetaram conversações no final de julho para uma possível compra da participação do conglomerado de media espanhol na Media Capital por parte da holding detida por Paulo Fernandes. As negociações estão, oficialmente, confirmadas por ambas as partes.

PremiumCEO da Ericsson Europa e América Latina: “Tecnologia 5G está seis a nove meses atrasada em Portugal”

Dirigente da Ericsson denunciou atraso no lançamento da tecnologia 5G em Portugal. “Recomendo ao regulador e ao Governo que acelerem os processos”.
Recomendadas

PremiumContrato que prevê bónus milionário da CEO da TAP não é válido

JE revela contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Contrato da CEO da TAP: “Não é só falta de retificação, é falta de aprovação”

O advogado Rogério Alves reagiu à notícia avançada pelo Jornal Económico. O contrato de Christine Ourmières-Widener com a TAP não só não foi retificado em AG como não foi aprovado. “Isto politicamente tem um custo”, diz.
Comentários