CEO da Apple assinou “acordo secreto” de 275 mil milhões de dólares com oficiais chineses para continuar a operar no país

Em 2016, os executivos da Apple ficaram alarmados com as ameaças do governo chinês contra recursos como Apple Pay, iCloud e App Store, o que levou Cook a realizar uma série de reuniões secretas com autoridades de Pequim.

O presidente-executivo da Apple, Tim Cook, esteve reunido presencialmente com autoridades chinesas em 2016 e prometeu investir 275 mil milhões de dólares (244,5 mil milhões de euros) na economia local durante um período de cinco anos em troca de Pequim permitir que a fabricante do iPhone continue a operar livremente no continente, avança a “The Information”.

Cook visitou a China em 2016 depois após os órgãos reguladores do governo começarem a aprovar uma série de medidas que dificultaram as atividades da gigante tecnológica no país, de acordo com o “The Information”.

Em 2016, os executivos da Apple ficaram alarmados com as ameaças do governo chinês contra recursos como Apple Pay, iCloud e App Store, o que levou Cook a realizar uma série de reuniões secretas com autoridades de Pequim.

Cook e funcionários do Partido Comunista chegaram a um “memorando de entendimento”, de acordo com o relatório divulgado. Como consequência a Apple prometeu investir 275 mil milhões de dólares (244,5 mil milhões de euros) na economia chinesa durante cinco anos. Para além da permissão de continuar a operar livremente no país, a Apple também recebeu uma série de concessões em troca de isenções regulatórias do governo chinês, informou o “The Information”.

Em maio de 2016, a empresa concordou em investir mil milhões de dólares (889,4 milhões de euros) na Didi Chuxing, uma startup chinesa de partilha de viagens. A gigante norte-americana comprometeu-se a melhorar e expandir o treino de funcionários no país.

O acordo tem o crédito de abrir caminho para o grande sucesso da Apple na China. A empresa registou 14,6 mil milhões de dólares (12,9 mil milhões de euros) em ganhos na China no terceiro trimestre deste ano, um aumento de 58,2% em relação ao período homólogo de 2020.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários