CEO da Cimpor pede mais investimentos e infraestruturas para atingir neutralidade carbónica em 2050

Luís Fernandes salienta a necessidade de um instrumento que considere as diferentes fontes de energia e permita a sua disponibilidade a um preço competitivo no desenvolvimento de redes de energia de elevado desempenho.

Luís Fernandes

O CEO da Cimpor e presidente do conselho executivo da Associação Técnica da Indústria de Cimento (ATIC) deseja ver reforçado o investimento e infraestruturas na indústria cimenteira para que seja possível alcançar a neutralidade carbónica em 2050.

“Serão necessários grandes investimentos e infraestruturas adequadas para implementação e operação de futuras tecnologias para que possamos atingir a neutralidade carbónica ao longo da cadeia de valores do cimento e do betão até 2050”, referiu Luís Fernandes, na conferência ‘Cimentar o Futuro’, para apresentar o ‘Roteiro da Indústria Cimenteira Nacional que se realizou esta segunda-feira, 29 de março.

O responsável alertou para esta necessidade, recordando que a indústria cimenteira está na vanguarda tecnológica a nível europeu e global e que pretende manter essa posição de liderança enquanto contribui para um futuro mais sustentável.

“Sabemos as dificuldades de um caminho que ainda é longo. Senão garantirmos condições equitativas entre os diversos sectores e países da União Europeia estaremos a impactar negativamente não só a competitividade da indústria cimenteira nacional, mas de outros sectores e sobretudo da economia nacional, face às suas congéneres europeias”, frisou.

Como tal, o CEO da cimenteira e líder da ATIC considera que será fundamental definir e concretizar um quadro de financiamento bastante expressivo e integrado que deverá traduzir-se em fundos de investigação e desenvolvimento e em incentivos que permitam o retorno de investimentos em tecnologias maduras e em períodos aceitáveis.

“Necessitaremos ainda de um instrumento abrangente que considere as diferentes fontes de energia e permita a sua disponibilidade a um preço competitivo no desenvolvimento de redes de energia de elevado desempenho”, sublinhou.

Relacionadas

Matos Fernandes diz que metas para 2030 da neutralidade carbónica são “ambiciosas, mas alcançáveis”

Ministro do Ambiente referiu que em 2019 Portugal reduziu em mais do dobro as emissões de gases de efeito estufa, quando comparado com a União Europeia.

Indústria cimenteira nacional lança roteiro para a neutralidade carbónica em 2050

O evento realiza-se em formato digital e conta, entre outras personalidades, com a presença do ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, e do ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira.

Cimpor investe 100 milhões de euros para reduzir em 37% emissões de CO2 até 2030

Medida faz parte da estratégia ambiental da empresa através da criação de projetos de I&D e modernização de ativos industriais e prevê aumentar a substituição de combustíveis fósseis por fontes alternativas de energia, dos atuais 30% para 70%.
Recomendadas

PremiumOaktree, Cerberus e Vanguard na corrida à VIC Properties

A Alantra vai receber esta sexta-feira as propostas não vinculativas para a compra dos ativos da VIC Properties. A Vanguard deverá avançar para o Pinheirinho. Oaktree e Cerberus entre os interessados.

Marcas vs Catar: o difícil equilibrismo das maiores marcas do mundo. Veja o “Jogo Económico”

Do equilibrismo de quem patrocina a prova à anti-campanha de quem está de fora, estes dias estão entregues a uma espécie de Mundial de marcas com desfecho imprevisível. Daniel Sá, especialista em marketing desportivo e diretor-executivo do IPAM e Henrique Tomé, analista da corretora XTB, são os convidados desta edição.

Sete bancos lucraram dois mil milhões até setembro, mais 71% do que no período homólogo

Os lucros dos sete maiores bancos – Caixa Geral de Depósitos, BCP, Novobanco, Santander Totta, BPI, Crédito Agrícola e Banco Montepio somam 2.006,3 milhões de euros até setembro deste ano, o que compara com um valor de 1.172 milhões nos nove meses do ano passado. O que significa que os lucros dos sete bancos cresceram 71,2%.
Comentários