CEO do CaixaBank avisa que preço da OPA é o adequado

O presidente executivo do CaixaBank afirmou ter “toda a paciência” com o BPI, mas deixou claro que o preço da OPA é o adequado.

Albert Gea/Reuters

Gonzalo Gortázar, CEO do CaixaBank, na sua intervenção no Fórum Nova Economia, em Madrid, falou da situação de impasse que se vive no BPI, deixando claro que o preço da OPA é o adequado.

Questionado sobre a “paciência” para com o BPI, Gonzalo Cortazar respondeu: “Paciência, temos toda”.

“Defendemos os interesses dos nossos accionistas e faremos tudo o que esteja nas nossas mãos para encontrar a melhor solução. Parece-nos que a melhor forma de defender o accionista do BPI é mediante uma oferta para tomar o controlo do banco, com as condições que são conhecidas. Fizemos a oferta e a partir daí são os accionistas quem decide. O meu papel não é estar zangado, mas sim gerir. O melhor é ser frio e calmo, e procurar defender os interesses dos nossos accionistas”, disse Gonzalo Cortázar.

O CEO do CaixaBank deixou uma explicação, em tom de aviso: “Acreditamos que o preço é o adequado e não o vamos subir. O nosso interesse pelo BPI nasce por se tratar de um bom banco, não do nosso desejo de nos internacionalizarmos. Uma e outra coisa não estão vinculadas”.

O presidente do banco espanhol recordou que em 21 de Setembro, na próxima assembleia-geral (AG) do BPI, haverá uma votação, “que não pode ser mais adiada”, sobre a desblindagem, e que nessa altura “os accionistas [do BPI] decidirão sobre uma coisa ou a outra”.

Gortázar também avançou que a estratégia do banco é de manter o seu investimento na Repsol e acrescentou que vê espaço para mais consolidação bancária em Espanha.

 

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

Banco de Portugal mantém a zero a exigência aos bancos de um “reserva contracíclica de fundos próprios”

O Banco de Portugal revelou o tradicional comunicado sobre a reserva contracíclica de fundos próprios, desta vez relativa ao 4.º trimestre de 2022. O supervisor vai manter a dispensa de constituição de reserva contracíclica para a banca no quatro trimestre deste ano, à semelhança do que sucedeu nos anteriores.

Merlin Properties compra sede do Novobanco na Avenida da Liberdade por 112 milhões

A informação do comprador foi confirmada pela entidade bancária esta sexta-feira em comunicado, depois de já ter avançado com o valor do negócio nas últimas semanas.
Comentários