CEO do Novo Banco: Solução para a dívida da Promovalor foi a “possível”

Sobre o direito do Novo Banco a exercer os valores mobiliários obrigatoriamente convertíveis (VMOC) de 160 milhões de euros, que podem ser convertidos em capital da Promovalor, António Ramalho confirmou que era um direito do banco mas disse que não podia indicar qual a estratégia que ia seguir.

António Ramalho | Cristina Bernardo

O presidente executivo do Novo Banco considerou hoje que foi a “solução possível” a reestruturação da dívida da Promovalor, de Luís Filipe Vieira, pela passagem da dívida para um fundo de investimento (Fundo de Investimento Alternativo Especializado).

“Como gestor de recuperações, digo: e depois, havia melhor solução?”, questionou António Ramalho, após perguntas do deputado do PS João Paulo Correia sobre a reestruturação da dívida da Promovalor recorrendo a um fundo gerido pela C2 Capital Partners (de Nuno Gaioso Ribeiro, ex-administrador do Benfica) e cujas fragilidades foram apontadas num parecer do Banco de Portugal.

Segundo o CEO do banco, tratou-se da “solução possível” e que implicou que fossem dadas garantias adicionais, como um hotel no Brasil.

De manhã, António Ramalho tinha dito que aproveitou uma viagem de caráter pessoal ao Brasil para verificar se existia esse hotel. “Estava de férias num ‘resort’ à parte e abandonei a minha família durante um dia para ir ao Recife verificar se existia ou não”, disse.

A audição de hoje de hoje de António Ramalho na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução durou mais de oito horas (desde as 9h30 até às 18h00, com um intervalo reduzido a meio da tarde).

Sobre o direito do Novo Banco a exercer os valores mobiliários obrigatoriamente convertíveis (VMOC) de 160 milhões de euros, que podem ser convertidos em capital da Promovalor, António Ramalho confirmou que era um direito do banco mas disse que não podia indicar qual a estratégia do banco. Em audição na mesma comissão, na semana passada, Luís Filipe Vieira disse que aqueles veículos financeiros “vão converter-se em capital” da Promovalor na maturidade que é já em agosto deste ano. “Após o pagamento do fundo, todo o remanescente irá para a Promovalor”, disse Vieira, confirmando que o valor servirá “para pagar os 160 milhões de euros” em dívida provenientes dos VMOC.

Ainda sobre Luís Filipe Vieira, António Ramalho disse na audição que o aval pessoal do presidente do Benfica à dívida da Promovalor “vale mais não executado que executado”.

António Ramalho explicou que foram feitas duas avaliações desse aval pessoal e que foi detetado um património com apenas três ativos (a casa para palheiro, uma moradia e uma loja em Alverca).

Sobre o EuroBic, o presidente do Novo Banco afirmou que olhou para o banco que está à venda, mas considerou que o tempo de o comprar não é compatível com o tempo do Novo Banco, que ainda está em processo de reestruturação.

Na terça-feira, em audição na mesma comissão, o governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, disse que não vê que o processo de libertação do Novo Banco face à Comissão Europeia seja compatível com o calendário para a venda do EuroBic.

O presidente do Novo Banco foi também questionado pelo deputado do PCP, Duarte Alves, sobre o banco ter um depósito bloqueado de 1.500 milhões de euros de várias instituições públicas da Venezuela (dinheiro que pertence ao “povo da Venezuela” e faz falta para vacinas, segundo o deputado comunista). O gestor disse que não se trata de um bloqueio determinado pelo Governo português mas decorrente de ações da Justiça.

“Não sabemos de que clientes são os depósitos, há identificação de mais do que um cliente durante um período confuso. Remetemos as operações todas para a Procuradoria-Geral da República e os bloqueios são de caráter judicial”, afirmou.

Novo Banco financiou comprador da Matinha na aquisição do Pinheirinho em troca da garantia dos terrenos (da Matinha) que vendeu em 2019.

António Ramalho confirmou que o deu um financiamento total à Vic Properties para a compra da herdade do Pinheirinho de 80 milhões de euros, mais 20 milhões do que o valor da transação, como referiu a deputada do PSD, Filipa Roseta.  Mas em troca o banco recebeu como garantia os terrenos da Matinha que valem mais (e que tinha vendido ao mesmo grupo alemão por 140 milhões de euros e 2019).

Recomendadas

PremiumMontepio suspende projeto para retirar 700 milhões de malparado

Chama-se “Projeto Douro” e pretendia retirar do balanço do banco entre 600 a 700 milhões de imóveis e crédito malparado a grandes empresas. Mas o processo está parado e sem data de retoma.

Laginha de Sousa defende a tributação do carbono para alinhar os incentivos privados com os objetivos sociais

Numa intervenção nas ESG Talks, o ainda administrador do Banco de Portugal e futuro presidente da CMVM, Luís Laginha de Sousa, citou um estudo recente da consultora McKinsey, que constata que mais de 90% das empresas do S&P 500 publicam atualmente algum tipo de relatório sobre sustentabilidade ESG. 

Fundação Santander lança mil bolsas para curso de negócios digitais

A Fundação Santander lançou mil bolsas que dão acesso ao curso Digital Business Development do Técnico+ Formação Avançada, unidade de pós-graduação do Instituto Superior Técnico.
Comentários