CEO portugueses preveem parcerias estratégicas para empresas crescerem, revela KPMG

No que toca a medidas para o futuro, a estratégia preferida dos CEOs portugueses (36%) para atingir os objetivos de crescimento das suas empresas é a criação de alianças com parceiros estratégicos, por oposição a 26% dos CEOs internacionais. As Fusões e Aquisições (F&A) seguem em segundo lugar destas medidas, com votos de 28% dos CEOs portugueses e de 11% dos CEOs internacionais.

Um estudo recente da KPMG revela que 58% dos líderes globais espera que a recessão seja ligeira e de curta duração. Já 14% dos executivos internacionais identifica a recessão entre as preocupações mais prementes da atualidade – valor ligeiramente acima do início de 2022 (que era de 9%), enquanto a fadiga pandémica lidera a lista com 15% dos votos.

Os dados contam da edição de 2022 do estudo CEO Outlook da KPMG – que questiona mais de 1.300 CEOs, incluindo líderes portugueses, oriundos das maiores empresas do mundo.

No que toca a medidas para o futuro, a estratégia preferida dos CEOs portugueses (36%) para atingir os objetivos de crescimento das suas empresas é a criação de alianças com parceiros estratégicos, por oposição a 26% dos CEOs internacionais. As Fusões e Aquisições (F&A) seguem em segundo lugar destas medidas, com votos de 28% dos CEOs portugueses e de 11% dos CEOs internacionais.

Relativamente à apetência para as F&A, 60% dos CEOs portugueses e 39% dos CEOs globais, revela que a sua apetência para as Fusões e Aquisições é moderada – ponderam realizar aquisições de impacto moderado nas suas organizações. Já o apetite alto para as F&A provém dos CEOs internacionais (47%), face aos 28% dos líderes portugueses que manifestam intenção elevada de realizar F&A com um nível de impacto grande nas suas companhias.

Vitor Ribeirinho, CEO/Chairman da KPMG Portugal, afirma em comunicado que “estes CEOs já passaram tempos desafiantes: uma pandemia global, tensões geopolíticas, pressões inflacionárias e dificuldades financeiras. Adversidades sucessivas que testam a resiliência dos CEOs em todas as áreas de negócio”.

“Embora não seja surpreendente que o clima económico é agora a principal preocupação dos líderes empresariais, é reconfortante assistir aos elevados níveis de confiança entre os líderes executivos nas suas próprias empresas e testemunhar as suas perspetivas de crescimento a longo prazo. Os acontecimentos dos últimos anos criaram uma verdadeira turbulência para a comunidade empresarial”, refere o CEO da KPMG Portugal.

“As conclusões deste completo e abrangente estudo pretendem gerar insights e proporcionar bases para algum otimismo cauteloso, que os gestores, depois de enfrentarem e ultrapassarem estas provações, estarão mais confiantes na capacidade de resiliência das suas empresas e esperamos que os mercados sigam o exemplo, mitigando algumas das maiores incertezas que todos nós, enquanto gestores, sentimos”, conclui.

O estudo revela ainda que durante o próximo ano, mais de oito em cada dez (86%) CEOs globais preveem que uma recessão seja atingida, com 1% dos líderes a prever que esta recessão terá um impacto nos lucros da empresa até 10%. Uma grande maioria dos altos executivos mundiais acreditam que uma recessão irá perturbar o crescimento previsto (73%). No entanto, três quartos (76%) já tomaram medidas de precaução antes de uma recessão iminente.

Apesar destas preocupações, os CEOs internacionais também se sentem nitidamente mais confiantes sobre a resiliência da economia durante os próximos seis meses (73%) comparativamente à mesma análise em fevereiro deste ano (60%). Além disso, 71% dos líderes globais estão confiantes quanto às perspetivas de crescimento da economia global nos próximos três anos (contra 60% no início de 2022) e quase nove em cada 10 (85%) estão confiantes quanto ao crescimento da sua organização.

Preocupações dos CEO portugueses versus CEO globais

No top três das preocupações que mais pressionam o negócio dos CEOs portugueses encontra-se o risco reputacional com 28% das respostas, a fadiga e a incerteza pandémica (20%), e a retenção de talento (12%).

Já os CEOs globais dizem que o maior desafio para as suas empresas é a fadiga e a incerteza pandémica com 15%, os fatores económicos (como a recessão, taxas de juro, etc) com 14%, e as tecnologias emergentes e disruptivas com 11%.

No entanto, os líderes portugueses identificam a cibersegurança como a maior ameaça de todas ao seu negócio, com 24% das respostas, por oposição aos CEOs globais, com 6% das repostas. O risco de reputação está a suscitar maior preocupação entre os CEOs, pois em resposta aos desafios geopolíticos, 51% das organizações globalmente deixaram de trabalhar com a Rússia e 34% pretendem fazê-lo durante os próximos seis meses.

Sobre a transformação digital, embora a atual incerteza esteja a levar os CEOs internacionais a continuar a priorizar a transformação digital, 40% das empresas a nível global fizeram uma pausa nas suas estratégias de transformação digital e 37% planeiam fazê-lo nos próximos seis meses.

O ambiente cibernético está a evoluir a passos rápidos, com 77% dos líderes internacionais a afirmar que a sua organização vê a segurança da informação como uma função estratégica e como uma vantagem competitiva.

A incerteza geopolítica está também a suscitar preocupações de ataques cibernéticos corporativos, de acordo com sete em dez dos CEOs globais (73%). Contudo, mais CEOs reconhecem que estão mal preparados para um ataque cibernético, com quase um quarto (24%) a admiti-lo em 2022, em comparação com 13% em 2021.

A longo prazo, mais de um quarto das empresas a nível internacional acredita que o avanço da digitalização e da conectividade empresarial são vitais para alcançar os objetivos de crescimento. Setenta e quatro por cento também concordam que os investimentos estratégicos da sua organização no digital e em ESG estão intimamente ligados.

Os CEOs globais reconhecem a importância das iniciativas dos ESG para as suas empresas, especialmente quando se trata de melhorar o desempenho financeiro e impulsionar o crescimento. De facto, 69% dos executivos de topo a nível mundial observaram uma maior procura por parte dos stakeholders no sentido de uma maior informação e transparência sobre a estratégia de ESG (58% em 2021).

Ao todo, 52% dos CEOs nacionais e 34% dos líderes globais confirmam que o maior acelerador para a estratégia de ESG nas suas organizações traduz-se numa maior proatividade para os temas sociais (direitos humanos, etc.).

Como maior desafio à sua estratégia de ESG, os CEOs portugueses identificam a dificuldade de implementar métricas (28%), contra 14% dos CEOs internacionais. Mas o maior desafio dos CEOs internacionais à estratégia de ESG das suas empresas são outros assuntos/prioridades mais relevantes que possam surgir e desviar a atenção do ESG, com 17% das respostas, face a 0% das respostas por parte dos CEOs nacionais.

Dos CEOs inquiridos, 49% dos portugueses e 14% dos globais declaram que a estratégia de ESG reduz a performance financeira das suas empresas. Por oposição a 28% dos CEOs portugueses e 35% dos CEOs internacionais, que defendem que a estratégia de ESG melhora a performance financeira das suas organizações.

Mais de um terço (38%) dos CEOs mundiais afirmam que as suas organizações encontram grandes desafios para articular uma narrativa convincente sobre o ESG. Quase três quartos dos inquiridos (72%) também acreditam que o escrutínio dos temas ESG pelos stakeholders – igualdade de género, impactos climáticos, etc. – vai continuar a acelerar.

Esta é a 8.ª edição do CEO Outlook da KPMG, realizada junto de 1.325 CEOs a nível internacional, durante os meses de julho e agosto de 2022.

Todos os entrevistados, incluindo os CEOs de empresas portuguesas, têm uma receita anual superior a 500 milhões de dólares americanos.

A pesquisa incluiu líderes de onze geografias como a Austrália, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Itália, Japão, Espanha, Reino Unido e EUA e pertencentes a onze sectores de negócio como a gestão de ativos, o bancário, o consumo e retalho, a energia, a infraestrutura, os seguros, as ciências, a tecnologia e as telecomunicações.

“Este estudo fornece uma visão muito completa sobre a perspetiva, as estratégias e a gestão corporativa dos CEOs, não apenas comparável à fase pré-pandemia, mas também do CEO Pulse da KPMG (pesquisa realizada entre janeiro e fevereiro de 2022 – junto de 500 CEOs e antes dos conflitos Russos na Ucrânia)”, avança a consultora.

 

Recomendadas

Reditus volta a adiar a apresentação dos resultados de 2021

A empresa estima que “a publicação dos seus documentos de prestação de contas individuais e consolidadas de 2021 seja concretizada até ao dia 24 de fevereiro de 2023”.

Dinamarquesa Eurowind Energy investe mais de 400 milhões de euros em Portugal

A multinacional dinamarquesa Eurowind Energy, que inaugurou esta terça-feira o segundo parque solar de produção de eletricidade do país, quer investir até ao fim desta década mais de 400 milhões de euros em Portugal.

Oito empresas portuguesas no index de igualdade de género da Bloomberg

Em análise estiveram cinco aspetos, desde a capacidade de liderança de talentos até às medidas contra o assédio sexual em ambiente profissional.
Comentários