Cerca de 20 mil desempregados de longa duração com apoio de integração até abril

O ministro do Emprego, Mota Soares, anunciou hoje que cerca de 20 mil desempregados de longa duração serão beneficiados nos primeiros quatro meses de 2015, com vista à sua “integração profissional” e ao “rápido regresso ao mercado de trabalho”. “Com a adequação a esta realidade específica, contamos que no primeiro quadrimestre do ano de 2015 […]

O ministro do Emprego, Mota Soares, anunciou hoje que cerca de 20 mil desempregados de longa duração serão beneficiados nos primeiros quatro meses de 2015, com vista à sua “integração profissional” e ao “rápido regresso ao mercado de trabalho”.

“Com a adequação a esta realidade específica, contamos que no primeiro quadrimestre do ano de 2015 possam ser beneficiados cerca de 20 mil desempregados de longa duração, com o propósito de estimular a integração profissional e o seu rápido regresso ao mercado de trabalho”, afirma o ministro da tutela, no parlamento.

Mota Soares, que está esta tarde a ser ouvido na Comissão parlamentar do Orçamento, Finanças e Administração Pública, no âmbito da discussão na especialidade da proposta de Orçamento do Estado para 2015 (OE2015), revelou que “foram transmitidas orientações precisas ao Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) para que passasse a utilizar de uma forma seletiva a modalidade de formação ‘Vida Ativa'”.

O ministro afirma que “o desemprego de longa duração é o que sente maiores dificuldades, até porque apresenta uma relativa rigidez quanto à oferta de emprego”, justificando assim a decisão hoje anunciada perante os deputados.

Numa comparação com 2011, Mota Soares acentuou que “há hoje mais 29 mil colocações no mercado de trabalho pelo IEFP e mais 44 mil ofertas de emprego”.

“Estamos, portanto, mais próximos da realidade que o mercado procura e que o mercado precisa. E isso dá esperança a quem procura emprego”, diz.

OJE/Lusa

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.