Cerca de 280 mil utentes escolheram o hospital que queriam para ser atendidos

As áreas de dermatologia, otorrinolaringologia, oftalmologia e ortopedia, que apresentam maiores tempos de espera, são as que mais levaram os pacientes a fazerem uso do direito do livre acesso no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Quase 280 mil utentes escolheram um hospital diferente do da sua área de residência para terem uma consulta de especialidade no último ano e meio. As áreas de dermatologia, otorrinolaringologia, oftalmologia e ortopedia, que apresentam maiores tempos de espera, são as que mais levaram os pacientes a fazerem uso do direito do livre acesso no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Segundo avança o jornal ‘Público’, em termos percentuais, foram cerca de 10,7% os utentes que escolheram um hospital fora da sua área de residência para serem atendidos. Perto de 167 mil utentes optaram pelos grandes centros hospitalares de Lisboa e Porto.

Os dados da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) mostram que cerca de 60% dos que optaram por um hospital diferente escolheram um destes seis: Centro Hospitalar  do Porto, Hospital São João, Lisboa Norte, Lisboa Central, Lisboa Ocidental e Instituto Gama Pinto.

“Dermatologia, otorrinolaringologia, oftalmologia e ortopedia são as especialidades em que há mais pessoas a escolher um hospital diferente do da sua área de residência”, afirma ao diário Ricardo Mestre, vogal do conselho de administração da ACSS.

Relacionadas

DGS anuncia que mais de 70% dos médicos já lavam as mãos

A conclusão é de um relatório da DGS, que concluiu também que a prevalência de infeções hospitalares diminuiu substancialmente em Portugal entre 2012 e 2017.

Respostas Rápidas: O que se sabe sobre a mudança na secretaria de Estado da Saúde

Sai Manuel Delgado, entra Rosa Zorrinho. O antigo secretário de Estado da Saúde viu-se envolvido na polémica reportagem sobre a associação Raríssimas e será ainda hoje substituído.
Recomendadas

Covid-19: Mortalidade e internamentos estáveis, infeções com tendência crescente

A mortalidade e as hospitalizações por covid-19 continuam em níveis estáveis em Portugal, mas o país regista uma tendência crescente de novos casos de infeção, indica o relatório sobre a evolução da pandemia hoje divulgado.

Portugal registou 19.703 mil casos e 41 mortes de Covid-19 na última semana

A Direção-Geral da Saúde contabilizou mais 2.049 infeções e mais quatro óbitos em comparação à semana anterior.

Premium“A organização de cuidados deve estar centrada no doente”

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) prepara-se para entrar numa nova era, com a criação de uma direção executiva. Na discussão inaugural do ciclo de conferências PROJETOR 2030, a saúde foi o tema forte.
Comentários