Cerca de 56 mil contribuintes vão pagar dívidas ao fisco até 2027

Novo perdão fiscal rendeu ao fisco 511 milhões já este ano. Mais de metade dos 93 mil contribuintes que aderiram ao regime de regularização vão pagar em prestações, cujo pagamento faseado pode ir até 2027.

Mais de 90 mil contribuintes aderiram ao Plano Especial de Redução do Endividamento ao Estado (PERES), num valor total de 1.144 milhões de euros de dívidas fiscais. O fisco encaixou mais de 500 milhões de euros já este ano e cerca de 60% dos contribuintes optaram pelo pagamento faseado. Nesta situação estão 56 mil contribuintes que até ao passado dia 23 de dezembro aderiram ao PERES com pagamento em prestações, que podem ir até 150 no período de vigência do Plano, que é de 11 anos.

“A receita arrecadada em 2016 fixou-se em 511 milhões”, avançou, ontem, o Ministério das Finanças em comunicado, dando conta que cerca de 60% dos 93 mil contribuintes que aderiram ao PERES optaram pela modalidade de pagamento em prestações. Nesta situação, estão, pois, cerca de 56 mil contribuintes que tiveram, no entanto, de pagar à cabeça 8% da totalidade do capital em dívida.

Devido à grande procura por parte dos contribuintes, o Governo decidiu na terça-feira passada, 20 de dezembro, alargar até sexta-feira, dia 23, o prazo de adesão ao PERES iniciado a 4 de novembro

Segundo as Finanças, entre 4 de novembro e 23 de dezembro, prazo de adesão ao PERES, registou-se a adesão de cerca de 93 mil contribuintes. Já o total de dívida fiscal que ficou submetido a este regime é de 1.144 milhões de euros, correspondendo a cerca de 573 mil processos por dívidas fiscais, com a dívida média por processo a fixar-se nos 1.997 euros e a dívida média por contribuinte nos 12.323 euros.

O PERES é um regime de pagamento de dívidas ao Estado e à Segurança Social que permite a dispensa de juros e que se aplica aos contribuintes com dívidas que não tenham sido liquidadas nos prazos normais de pagamento.

Os contribuintes que paguem toda a dívida até ao final deste ano ficam totalmente dispensados do pagamento dos juros de mora e compensatórios, bem como das custas do processo de execução fiscal. Nos pagamentos integrais, há ainda uma atenuação para 10% do valor das coimas- não podendo daqui resultar um valor inferior a 10 euros.

As prestações terão um valor mínimo equivalente a uma unidade de conta (102 euros) se se tratar de um particular e duas unidades de conta se for uma empresa (204 euros).

No caso do pagamento a prestacional, a atenuação dos juros de mora e compensatórios e custas do processo de execução fiscal será tanto mais elevada quanto menor o número de prestações. Até 36 prestações mensais, a redução destes custos acessórios é de 80%, de 37 até 72 prestações, a redução concedida é de 505 e de 73 até 150 prestações, a atenuação destes custos é apenas de 10%.

Recomendadas

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta quarta-feira

  Público “Apoios do Governo ao rendimento não chegam para afastar risco de recessão” “Brasil. Bolsonaro tem o apoio do governador de Minas, PDT de Ciro junta-se a Lula” “Educação. Número de professores no superior cresce 20% desde 2015”   Jornal i “22 mil milhões de euros para a banca” “Poeiras do Norte de África. […]

Dívida pública federal dos EUA supera 31 biliões de dólares

Aproximando-se do limite legal de 31,4 biliões – um limite artificial colocado pelo Congresso à capacidade de endividamento do governo federal -, a dimensão da dívida confronta uma economia que enfrenta uma inflação elevada, taxas de juro em crescendo e um dólar forte. 

Moldova mantém neutralidade mas irá fortalecer a cooperação com a NATO

A Moldova manterá a neutralidade, mas aprofundará a sua cooperação com a NATO para garantir a sua capacidade defensiva, declarou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldova, Nicu Popescu.
Comentários