Certificados digitais falsos estão à venda na internet para evitar quarentena

Uma investigação realizada pela “BBC” descobriu vários certificados à venda na internet, sendo que um único vendedor disponibilizava certificados de 22 países europeus, entre os quais Portugal e França. 

Créditos: Cintramédica

As fraudes com os certificados digitais de vacinação continuam ativos nas redes sociais e sites da dark web. Estes certificados falsos destinam-se aos cidadãos que não tenham sido vacinados contra a Covid-19 e que não pretendem ser vacinados.

Uma investigação realizada pela “BBC” descobriu vários certificados à venda na internet, sendo que um único vendedor disponibilizava certificados de 22 países europeus, entre os quais Portugal e França.

Mas, de acordo com a publicação, não se tratam apenas de certificados falsos. Estes certificados dispõem de um código QR válido para as autoridades de saúde e os vendedores asseguram que estes códigos funcionam porque trabalham diretamente com autoridades de saúde de cada países e conseguem introduzir a informação na base de dados para que os cidadãos não sejam interpelados.

As autoridades admitem que é difícil saber quem são as pessoas por trás das vendas destes certificados, embora acreditem que se tratem de grupos de crime organizado.

A “BBC” nota que o Facebook já está predisposto a apagar estas publicações mas que ainda demoram 24 horas a desaparecer, o que leva milhares a desaparecer ao fim deste tempo. Depois de serem apagados da rede social de Mark Zuckerberg, muitas publicações de venda migram para o Telegram, uma plataforma que se foca na rapidez de trocas e nas mensagens encriptadas.

Muitos certificados digitais têm dado entrada no Reino Unido, com o intuito de aceder a vários locais e para evitar o isolamento de 14 dias após viagens ao estrangeiro.

Recomendadas

Primeiro-ministro espanhol testou positivo à Covid-19

Sánchez não disse se estava a sentir-se doente ou se iria cancelar outros compromissos na próxima semana.

Portugal registou 18.315 mil casos e 37 mortes de Covid-19 na última semana

A Direção-Geral da Saúde contabilizou mais 2.049 infeções em comparação à semana anterior.

Covid-19: EMA preocupada com hesitação a vacinas e aponta Portugal como exemplo

A Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla inglesa) manifestou-se hoje “muito preocupada” com a elevada taxa de hesitação no reforço da vacina da covid-19 e deu o arranque da campanha em Portugal como bom exemplo.
Comentários