Certificados do Tesouro e Aforro somam 31,8 mil milhões em outubro, mais 679 milhões num mês

Os portugueses subscreveram mais 679 milhões de euros em outubro em Certificados do Tesouro e Certificados de Aforro, segundo o Banco de Portugal.

Os portugueses subscreverem  mais 679 milhões de euros em outubro em Certificados do Tesouro e Certificados de Aforro, segundo o Banco de Portugal.

Em setembro, o acumulado dos dois produtos de poupança do Estado somava 31.170,05 milhões de euros, mas somando os dois produtos em outubro verifica-se o “stock” de Certificados de Aforro e do Tesouro totaliza 31.849,2 milhões.

Os Certificados do Tesouro, em outubro, registam um valor acumulado de 15.829,02 milhões de euros, o que compara com 16.559,21 milhões em setembro e com um montante de 17.865,38 milhões em outubro de 2021. Houve, por isso, uma queda face ao ano passado.

Já os Certificados de Aforro, em outubro, totalizam 16.020,16 milhões de euros, o que compara com 14.610,84 milhões em setembro e com 12.405,62 em outubro de 2021, registando-se assim uma subida.

Uma vez que ambos os produtos do Estado superam um total de 30.271 milhões de euros em outubro de 2021, regista-se uma subida de 5,2%, num ano, no valor aplicado nestes produtos.

Tal significa que a queda nos Certificados do Tesouro, que tem sido verificada nos últimos 12 meses, tem sido compensada e superada pelo aumento nas aplicações em Certificados de Aforro.

Recomendadas

Empresa espanhola de armamento recebeu carta semelhante à que explodiu na embaixada da Ucrânia

Uma empresa espanhola de armamento recebeu um envelope similar ao que foi enviado para a embaixada da Ucrânia em Madrid e que explodiu.

Atualização do IAS aumenta valor máximo do subsídio de desemprego em 93 euros

O valor máximo do subsídio de desemprego vai subir mais do que o previsto avançando 93 euros, para 1.201,08 euros, refletindo o aumento de 8,4% do Indexante de Apoios Sociais (IAS) em 2023.

Afinal, pensões mais baixas vão subir 4,83% em janeiro

Pensões até 961 euros vão ter aumento de 4,83%, pensões entre 961 euros e 2.883 euros vão subir 4,49% e pensões acima de 2.883 euros vão crescer 3,89%. Correção das atualização vai custar 110 milhões de euros, aos quais se somam os 1.155 milhões de euros já previstos.
Comentários