CFO da Huawei paga 6,6 milhões de euros para sair em liberdade

Meng Wanzhou foi libertada após o pagamento da fiança por ordem do juiz canadiano William Ehrcke. A diretora financeira da Huawei é acusada pelas autoridades dos EUA de fraude por violar as sanções comerciais impostas pelos norte-americanos ao Irão.

Meng Wanzhou, diretora financeira da Huawei, pagou 7,5 milhões de dólares (6,6 milhões de euros) para sair em liberdade no Canada, onde se encontrava detida desde 1 de dezembro, a pedido das autoridades norte-americanas, revela o jornal “Expansión” esta quarta-feira.

O juiz William Ehrcke, do Supremo Tribunal da Província de British Columbia, no Canada, determinou a liberdade da diretora financeira e filha do fundador da Huawei, enquanto o Governo chinês aguarda a conclusão do pedido de extradição apresentado pelos Estados Unidos.

A libertação de Meng Wanzhou acontece horas depois das autoridades chinesas deterem Michael Kovrig, um ex-diplomata canadiano que atualmente trabalha na China para o grupo de investigação do International Crisis Group (ICG).

Meng Wanzhou foi presa pelas autoridades canadianas a pedido dos Estados Unidos a 1 de dezembro em Vancouver, no Canada quando ia caminho do México. A prisão causou uma crise diplomática entre o Canadá e a China, que ameaçou Ottawa com sérias consequências caso a diretora financeira da Huawei não fosse libertada de imediato.

A diretora financeira da Huawei é acusado pelas autoridades norte-americanas de fraude por violar as sanções comerciais impostas pelos Estados Unidos ao Irão, o que já foi negado pelo Governo chinês.

Relacionadas

Meng Wanzhou: de rececionista a CFO da maior empresa privada chinesa

Meng Wanzhou começou como rececionista na Huawei até ser promovida da CFO. Sobreviveu a um cancro, tem quatro filhos e duas casas em Vancouver, onde está detida. Se for acusada, poderá incorrer numa pena de prisão de até 30 anos.

Antigo diplomata canadiano detido na China

Cerca de uma semana depois da detenção da diretora financeira da Huwaei no Canadá, a pedido das autoridades fiscais dos EUA, um antigo diplomata canadiano foi detido hoje na China. Michael Kovrig trabalha para o International Crisis Group.

Diretora da Huawei detida no Canadá alega razões de saúde para ser libertada

A diretora financeira da gigante chinesa das telecomunicações, detida no Canadá a pedido dos Estados Unidos, apelou na segunda-feira a um tribunal de Vancouver para que fosse libertada sob fiança, alegando razões de saúde.
Recomendadas

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Antigo PM britânico David Cameron defende que países pobres desenvolvam energias fósseis

O antigo primeiro-ministro britânico David Cameron acusou hoje em Londres de “hipocrisia” a comunidade internacional por estar a pressionar países em desenvolvimento a não investir em combustíveis fósseis devido às alterações climáticas.

Tribunal russo proíbe movimento de protesto Vesná declarando-o extremista

Um tribunal russo declarou hoje como organização extremista o movimento Vesná (‘Primavera’), que organizou protestos em todo o país contra a mobilização parcial para combater na Ucrânia, decretada em setembro passado pelo Presidente Vladimir Putin.
Comentários