CGD: CDS-PP exige esclarecimentos a António Costa

João Almeida, deputado e porta-voz do CDS-PP, defende que a questão da CGD “só se resolve ao nível do primeiro-ministro”, que neste momento está “em dívida para com o país”.

“Muito do que aconteceu ontem é uma tentativa do primeiro-ministro de gerir assuntos graves com ligeireza”, acusou João Almeida, deputado e porta-voz do CDS-PP, referindo-se à demissão de António Domingues e restante administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD). O porta-voz defende que a questão da CGD “só se resolve ao nível do primeiro-ministro”, que neste momento está, de acordo com João Almeida, “em dívida para com o país”.

O deputado do CDS-PP assinala o “momento grave”, exige esclarecimentos a António Costa e responsabiliza o Executivo: “A CGD perdeu credibilidade por causa da incompetência do governo.” João Almeida defende que se assinala agora “um ano de incompetência na gestão” do banco público e questiona o porquê de a recapitalização, que o Governo anunciou como urgente, ainda não se ter concretizado.

Questionado pelos jornalistas sobre potenciais consequências que a polémica que envolve a CGD poderá ter na estrutura governativa, nomeadamente na continuidade do secretário de Estado Adjunto do Tesouro e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, João Almeida referiu que é ao primeiro-ministro que se devem exigir respostas: “Pedimos responsabilidade ao primeiro-ministro. É um assunto suficientemente relevante. António Costa escondeu-se e seria negativo que se escondesse atrás de qualquer secretário de Estado.”

O porta-voz do CDS-PP não nomeou qualquer substituto, mas falou no perfil que o partido considera necessário para liderar o banco público. “Competência e disponibilidade para respeitar regras básicas de transparência” são características imperativas, frisou.

 

 

Recomendadas

PRR, mesmo sem inflação, sofreria dos mesmos problemas

Execução da bazuca enfrentaria dificuldades com burocracia e mudanças na economia global, reforçando papel dos contabilistas.

Cabo Verde quer reforçar combate à pobreza com aumento de 25% da taxa turística

Governo liderado por Ulisses Correia e Silva prevê arrecadar 8,6 milhões de euros com o aumento da taxa, que serão canalizados para o fundo de financiamento Programa Mais, Mobilização pela Aceleração da Inclusão Social, concebido para apoiar projetos de combate à pobreza extrema e exclusão social, segundo a Forbes África Lusófona.

Receitas do turismo estão 14% acima das do pré-pandemia

Os resultados até agora obtidos são animadores, contudo a crescente subida dos preços traz alguma apreensão
Comentários