CGD chamada ao Parlamento para explicar o encerramento de 23 balcões

Os deputados da Comissão de Orçamento e Finanças (COF) aprovaram hoje por unanimidade um requerimento do PS para ouvir a Comissão Executiva da CGD sobre o encerramento de 23 balcões. A notícia foi avançada pela Lusa e confirmada pelo Jornal Económico.

Os deputados da Comissão de Orçamento e Finanças (COF) aprovaram hoje por unanimidade um requerimento do PS para ouvir a Comissão Executiva da CGD sobre o encerramento de 23 balcões. A notícia foi avançada pela Lusa e confirmada ao Jornal Económico por deputados.

A Lusa cita o texto do requerimento do PS, que diz que “a Caixa Geral de Depósitos (CGD), enquanto banco público, tem um dever especial de garantir o acesso da população aos serviços bancários essenciais, primeiramente e sobretudo nos casos em que, de outra forma, não possa a população aceder a tais serviços, seja por não ter acesso à internet e ao ‘home banking’, seja por obstáculos à mobilidade” para justificar a chamada o banco ao Parlamento.

Assim, e ainda que considerem imperativa que a gestão da CGD seja “orientada por princípios de racionalidade e sustentabilidade”, os socialistas querem que a gestão liderada por Paulo Macedo venha ao Parlamento esclarecer a “decisão já confirmada” pelo banco de encerrar 23 balcões, cita a Lusa.

“Com efeito, além de ser imperioso perceber se o anunciado encerramento destes 23 balcões foi precedido de uma avaliação que sustente o encerramento dos balcões em causa e, em caso afirmativo, quais os pressupostos em que assentou a decisão de encerrar esses balcões, importa ainda que sejam prestados esclarecimentos sobre as consequências do encerramento destes balcões para os trabalhadores que neles se encontram a prestar atividade”, segundo o requerimento hoje votado e aprovado e citado pela agência noticiosa.

A COF chumbou um requerimento do PCP, no passado dia 8 de setembro, para uma audição do ministro das Finanças sobre encerramento de balcões pela CGD. Para o chumbo contribuiu o voto contra do PS.

A Caixa continua a ser o banco que está presente em mais concelhos do país. As agências encerraram sobretudo nas grandes cidades, segundo uma análise do “Jornal de Notícias”.

A notícia de que há duas semanas fecharam mais 23 balcões levou o PSD a querer explicações do Governo.

Recentemente a Comissão de Trabalhadores do CGD pronunciou-se dizendo que a decisão de encerrar mais 23 agências é “desprovida de sentido para a sustentabilidade” do banco, “pondo em causa a missão de garantir o serviço público”.

De acordo com a CT, o encerramento de mais 23 agências, a ocorrer no final do mês de agosto de 2022 foi aprovada no passado dia 6 de julho pela Comissão Executiva da CGD.

A comissão acusa a administração da CGD de persistir “na aplicação de medidas que visam o emagrecimento da estrutura da CGD, mesmo depois do plano de reestruturação imposto pela DGComp [Direção-Geral da Concorrência], concluído em dezembro de 2020 e que implicou uma redução de cerca de 200 agências”.

Recomendadas

Crédito à habitação. Governo suspende comissão de amortização antecipada em 2023

O Governo afasta, contudo, um regresso das moratórias no crédito da casa. Uma medida que iria “criar uma ilusão às pessoas de que podemos acabar com o aumento das taxas de juro”, disse o secretário de Estado do Tesouro.

XTB não antevê eclosão de outra crise financeira global com a situação do Credit Suisse

“Na situação atual, a eclosão de outra crise financeira global como consequência do potencial colapso deste banco parece improvável, mas mesmo assim as consequências locais e a curto prazo do futuro questionável do Credit Suisse devem ser tidas em conta”, concluem os analistas da corretora.

Fidelidade reforça posição na seguradora peruana La Positiva para 93,9%

Na sequência de uma OPA, a Fidelidade passou a controlar 93,9% da seguradora e para isso faz um investimento de 396,3 milhões de soles, o equivalente a cerca de 101,2 milhões de euros.
Comentários