CGD formaliza libertação de colaterais para separação entre Vanguard e Amorim na Comporta

A Vanguard, a Amorim e a CGD vão assinar uma nova escritura de compra e venda dos 50% da empresa que tinha os projetos comuns na Comporta. O Jornal Económico apurou que esta operação está prevista para Agosto, mas ainda não há uma data concreta.

Vanguard Properties e Amorim Luxury
Paula Amorim, Miguel Guedes de Sousa, Claude Berda, José Cardoso Botelho e Alexandre Berda

Na semana passada chegou a autorização formal da Caixa Geral de Depósitos, enquanto banco financiador, à separação da Amorim Luxury e Vanguard Properties. Na prática, o banco autorizou a libertação dos colaterais envolvidos na transação realizada em 14 de novembro de 2019 para a aquisição dos ativos imobiliários ao Fundo da Herdade da Comporta.

Está assim formalmente aberto o caminho para ser concluída a separação da parceria entre a Amorim Luxury e a Vanguard Properties, detentores em partes iguais do capital social da sociedade Percentagem Impecável.

Uma vez autorizada a libertação do colateral, será agora concretizada a venda e serão efetuados os registos, comercial e predial, relativos ao negócio. A Vanguard, a Amorim e a CGD vão assinar uma nova escritura de compra e venda dos 50% da empresa que tinha os projetos comuns na Comporta. O Jornal Económico apurou que esta operação está prevista para agosto, mas ainda não há uma data concreta.

A CGD participará na escritura, uma vez que se mantém financiadora do projeto global de ambos os grupos.

Contactada a Vanguard Properties confirmou a informação e o acordo celebrado entre os dois sócios, informando que “estão a trabalhar na sua execução em harmonia e perfeita cooperação”, não querendo comentar mais o tema.

A empresa de Claude Berda não podia concretizar a compra dos 50% da Amorim Luxury na Percentagem Impecável sem que previamente o banco financiador libertasse os colaterais envolvidos na transação realizada em 14 de novembro de 2019 para a aquisição dos ativos imobiliários ao Fundo da Herdade da Comporta.

Tal como o JE divulgou em janeiro, a CGD, como banco financiador, tinha a participação da Amorim Luxury na Percentagem Impecável dada em garantia do empréstimo de cerca de 14 milhões concedido para a compra dos ativos do Fundo Herdade da Comporta.  Recorde-se que a CGD financiou parte da aquisição do projeto, que custou 157,5 milhões, sendo de 20 milhões de euros o investimento da Amorim Luxury.

O consórcio em termos de repartição do preço era composto em cerca de 88% pela Vanguard e a Amorim Luxury detinha os restantes 12%.

A Vanguard Properties e a Amorim Luxury formaram um consórcio para, em 2019, comprar os ativos que pertenciam ao Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado da Herdade da Comporta – o Comporta Links e o Comporta Dunes.

Na operação de separação, a Amorim Luxury fica com a concessão do restaurante que dá apoio à praia do Pego, no Carvalhal (Comporta), e parte do respetivo estacionamento.

José Cardoso Botelho prevê a conclusão das obras no Dunas até outubro deste ano e no Torre, até final do 1.º trimestre de 2023

No que toca ao andamento do projeto da Vanguard Properties, José Cardoso Botelho, CEO, revelou ao Jornal Económico que “as obras de infraestruturas estão a avançar a excelente ritmo, prevendo a conclusão das obras no Dunas até outubro deste ano e no Torre, até final do 1.º trimestre de 2023”.

A fase final de preparação do campo de golfe do Dunas, começará em outubro e a abertura está fixada para março de 2023, adianta o CEO da Vanguard, que acrescenta que “para a promoção da atividade foi contratada a consultora de comunicação Azalea, talvez a mais prestigiada do setor, visando trazer significativo número de especialistas ao excecional campo Dunas Golf Course desenhado pelo arquiteto David Mcklay Kidd”.

Segundo a mesma fonte “a equipa da Vanguard Properties que lidera a operação do golfe está neste momento a realizar um périplo por um conjunto de campos de golfe de alto nível, nos EUA, para troca de experiências na área da sustentabilidade e da manutenção visando que o Dunas ofereça um produto e serviços de classe mundial”.

Por sua vez, está em curso, o desenvolvimento do club-house provisório e outro definitivo, ambos em madeira, e ainda a zona comercial e desportiva, também em madeira, adianta José Cardoso Botelho.

A zona comercial irá incluir um conjunto de serviços básicos, nomeadamente, supermercado e clínica médica e mercado alimentar, bem como vários espaços para retalho têxtil, ourivesaria, decoração de interiores e naturalmente um conjunto de espaços de F&B (Food And Beverage).

“Por fim, está a ser preparado um espaço multiusos para a realização de eventos, nomeadamente casamentos, e eventos corporativos, desenhado por um arquiteto de classe mundial”, revela o CEO da Vanguard Properties.

“Estamos igualmente a desenvolver todos os projetos habitacionais, em madeira, com vários arquitetos de renome com a tecnologia da Kōzōwood Nature Made, esperando começar a produzir em 2023”, diz o responsável pela empresa que assegura que “irá disponibilizar uma sofisticada plataforma para apoiar cada cliente na concretização de cada villa. A plataforma, digital, irá recorrer a diversas tecnologias de AI e Big Data e constituirá uma vantagem competitiva”.

A Vanguard revela ainda que vai anunciar o lançamento de uma nova empresa e serviço, a Balthazar – Contemporary Landscapers que irá atuar na área da conceção, execução e manutenção de jardins e manutenções diversas nomeadamente de piscinas, próprias e dos clientes.

“Com as casas desenvolvidas em madeira, construídas de forma modelar no Norte de Portugal, irá promover a sustentabilidade do projeto visto que, todas as casas serão altamente eficientes do ponto de vista da suficiência e eficiência energéticas, uso exclusivo de equipamentos elétricos, e descarbonização da construção – a madeira, sequestra CO2”, explica José Cardoso Botelho.

“Todas as casas serão NZEB, um objetivo da nova legislação europeia para o período de 2030-2050. Por fim, todo o projeto estará integrado numa Comunidade Energético, em parceria com a Energia Unida empresa do grupo GreenVolt”, lembra o CEO da Vanguard Properties.

“A Vanguard Properties vai começar a desvendar o projeto Dunas, organizando uma festa no próximo 4 de agosto, com largas centenas de convidados confirmados e oriundos de vários países”, anuncia José Cardoso Botelho.

“Por fim, em conjunto com a especialista na área turística e hoteleira, a Amazing Evolution, o projeto Terras da Comporta foi apresentado em Berlim em maio de 2022, durante o International Hospitality Investment Forum”, explica o CEO da Vanguard.

“A equipa liderada pela Margarida Almeida falou com praticamente todas as cadeias hoteleiras de luxo, tendo recebido várias manifestações de interesse firme, tendo um dos grupos, apresentado uma proposta para a totalidade das áreas turísticas, confirmando assim o prestígio e potencial da Comporta para o segmento de luxo”, salienta o responsável pelo Promotor Imobiliário.

O objetivo da Vanguard Properties é abrir em 2023 o Golfe e respetivo club-house, bem como a área desportiva e comercial e em 2024 a primeira unidade hoteleira e um ou mais condomínios turísticos.

Recomendadas

Alojamento local em expansão no Douro ajuda a diversificar oferta turística

O alojamento local no Douro está em expansão e contribui para a diversificação da oferta turística neste território, existindo atualmente 714 unidades em atividade.

TAP nega acusação do sindicato dos pilotos e diz que gasta menos com alugueres face a 2018 e 2019

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) acusou, esta quarta-feira, a gestão da TAP de “desperdiçar” as receitas do verão com “milhões de erros” ao longo do ano, como a contratação externa de serviços.

PremiumTAP teme impacto do risco de recessão nas suas receitas em 2023

Companhia aérea nacional diz que a capacidade este ano está a 90% dos níveis pré-pandemia. Aumento dos custos do jetfuel já está a afetar fortemente as operações da companhia. Acordos coletivos estarão “no topo da lista de prioridades” da TAP em 2023.
Comentários