CGD: Conversão de CoCos e transferência da ParCaixa avançam primeiro, revela Mourinho Félix

O Secretário de Estado reformulou o calendário da recapitalização da Caixa. “A administração continua a conduzir o processo de apuramento das imparidades e de avaliação das necessidades de capital com os auditores e em estreito contacto com o BdP, o BCE e a Comissão Europeia”, disse o governante.

A administração da CGD iniciou também já os trabalhos de preparação da emissão de dívida subordinada e está já a iniciar contactos com potenciais investidores, revelou hoje o Secretário de Estado do Tesouro e Finanças no Fórum da Banca que se realizou no hotel Ritz em Lisboa.

“O processo de recapitalização consiste em duas fases. A primeira traduz-se num aumento de capital por transformação dos instrumentos híbridos, os chamados CoCos em capital, e pela transmissão da participação do Estado na Parcaixa para a Caixa Geral de Depósitos”, referiu Mourinho Félix.

“A segunda e última fase deverá ser concluída no primeiro trimestre de 2017, com a apresentação das contas de 2016 incluindo as imparidades apuradas, a operação de emissão de dívida subordinada, e a injeção de fundos públicos até ao limite de 2.700 milhões de euros”, acrescenta.

Ao longo de todo este processo, o Governo tem também mantido contactos frequentes com o Banco de Portugal, o Banco Central Europeu e a Comissão Europeia, revela.

“Todas estas instituições estão informadas do processo e dos seus calendários”, diz Ricardo Mourinho Felix.

“Com a conclusão da operação de recapitalização da CGD e a extensão da maturidade do empréstimo ao Fundo de Resolução o sistema financeiro português estará numa posição estável em termos de capital e poderá no ano de 2017 enfrentar com segurança o desafio de encontrar uma solução eficiente e geradora de valor para os ativos não produtivos dos bancos”, conclui o governante.

Recomendadas

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas”, afirma CEO do Access Bank

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas participarem no que acreditamos que irá gerar um valor mais forte à medida que África vai emergindo”, explicou Herbert Wigwe, CEO da Access Holding Pics, numa entrevista exclusiva para a Forbes África Lusófona.

Montepio vende Finibanco Angola a grupo da Nigéria

O Acess Bank é uma entidade detida a 100% pela Access Holdings Plc (Access Corporation), um banco comercial que opera através de uma rede de mais de 700 balcões e pontos de atendimento, abrangendo 3 continentes, 17 mercados e 45 milhões de clientes, segundo o Montepio. Valor não foi divulgado.

Lucros do Banco de Fomento sobem 135% para 22,9 milhões de euros em 2021

“Este aumento explica-se, essencialmente, pelo crescimento do produto bancário que passou de 31,89 milhões de euros, em 2020 para 44,69 milhões de euros no ano em análise”, ou seja, subiu 40%.
Comentários