CGD: TC confirma entrega de declarações de rendimentos e património

A mesma fonte não confirmou nem o número nem a identidade dos elementos da administração que procederam a esta entrega.

Cristina Bernardo

Vários elementos da administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD) entregaram hoje declarações de rendimentos e património no Tribunal Constitucional (TC), confirmou à Lusa fonte do Palácio Ratton, entretanto divulgada por outros meios de comunicação social.

A mesma fonte, adiantam vários meios, não confirma nem o número nem a identidade dos elementos da administração que procederam a esta entrega.

De acordo com o comunicado enviado pela Caixa Geral de Depósitos à CMVM, são mais seis os administradores que abdicam dos cargos: Emídio José Bebiano e Moura da Costa Pinheiro, Henrique Cabral de Noronha e Menezes, Paulo Jorge Gonçalves Pereira Rodrigues da Silva, Pedro Lopo de Carvalho Norton de Matos, Angel Corcóstegui Guraya e Herbert Walter.

Com estas saídas, restam apenas quatro dos 11 administradores que tomaram posse a 31 de agosto passado: Tiago Rarava Marques, João Tudela Martins, Pedro Leitão e Rui Vilar (administrador não executivo).

“Esperamos que as autoridades portuguesas apresentem a nova equipa”, disse fonte oficial da DG Comp (direção-geral da Concorrência europeia) ao jornal Observador. Esta reação da Comissão faz parte após o conhecimento do anúncio da saída de António Domingues da presidência da Caixa Geral de Depósitos.

Recomendadas

OE2023: Margem orçamental para função pública está esgotada

Na primeira reunião, realizada na segunda-feira, o Governo indicou que a valorização da administração pública iria custar 1.200 milhões de euros, incluindo aumentos salariais, progressões e promoções e a revisão da tabela remuneratória.

PremiumBdP revê inflação em alta, mas pico já deverá ter passado

Banco central projeta taxa de 7,8%, a mais elevada desde 1993 nos preços, levando a perdas reais nos salários, que crescem a uma taxa mais baixa. Juros em alta não devem criar terramoto na dívida.

PremiumSalário mínimo da Função Pública vai subir 57 euros

A base remuneratória da Administração Pública vai subir 8% em janeiro, o que significa que esses trabalhadores não perderão poder de compra. Já a maioria dos demais funcionários públicos vai ter aumentos abaixo da inflação.
Comentários