CGD vai avançar com pagamento extraordinário aos trabalhadores (com áudio)

Na nota, o sindicato refere que a CGD vai avançar com um pagamento extraordinário em dezembro, que oscilará entre os 600 e os 900 euros, de acordo com a remuneração mensal de cada trabalhador, desde que este aufira um rendimento mensal até 2.700 euros.

O Sindicato dos Trabalhadores das Empresas do Grupo CGD (STEC) disse hoje que a CGD vai avançar com um pagamento extraordinário em dezembro entre os 600 e os 900 euros, para os trabalhadores com rendimento mensal até 2.700 euros.

Em comunicado, o Sindicato adianta que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) mostrou, numa reunião realizada na quarta-feira, “abertura para discutir as medidas de apoio a tomar para ajudar os trabalhadores a responder aos brutais aumentos do custo de vida e avançou com um pagamento extraordinário”.

Na nota, o sindicato refere que a CGD vai avançar com um pagamento extraordinário em dezembro, que oscilará entre os 600 e os 900 euros, de acordo com a remuneração mensal de cada trabalhador, desde que este aufira um rendimento mensal até 2.700 euros.

A CGD, segundo o STEC, dará também a possibilidade de o trabalhador antecipar o recebimento do subsídio de Natal de 2023.

“Registamos assim positivamente esta decisão da administração e só lamentamos a sua morosidade, quando outros bancos e até mesmo empresas de bem menor dimensão já o tinham feito”, refere o STEC.

O sindicato diz que a CGD alega que nos últimos quatro anos (de 2018 até 2021) os aumentos salariais atribuídos pela empresa foram iguais ou superiores à inflação, “esquecendo-se ardilosamente de considerar a inflação prevista pelo Banco de Portugal para 2022 (7,8%) e atender ao aumento médio da tabela salarial alcançado no início do presente ano (0,92%), ainda num período em que ninguém poderia prever este esmagador aumento da inflação”.

De acordo com o sindicato, os trabalhadores e reformados confrontam-se agora com uma “brutal redução do seu poder de compra, muito superior a qualquer aumento salarial atribuído em anos anteriores”.

Por isso, o STEC alerta que “não abdicará que a negociação da tabela salarial para 2023 reverta esta indesmentível e substancial perda de poder de compra, reconhecendo-se os trabalhadores como uma mais-valia determinante para o funcionamento, imagem e resultados do banco público”.

O STEC tinha anunciado em 7 de novembro que tinha pedido uma reunião urgente ao presidente executivo da CGD para reclamar apoios face à escalada da inflação.

Na altura, o STEC, considerou “inqualificável e ensurdecedor” o “silêncio” da administração da CCG – “o maior, o mais credível e mais lucrativo banco do país” – face à “inflação galopante, à subida obscena do custo de vida, ao ‘aperto de cinto’ e à dificuldade de aquisição de muitos bens essenciais”.

A CGD apresenta hoje os resultados dos primeiros nove meses de 2022.

Recomendadas

Santander lança conta 100% digital para pequenos negócios

“A Conta dirige-se a Pequenos Negócios e ENI’s, que ainda não sejam clientes do Banco, e que queiram fazer essa gestão diária dos seus negócios utilizando apenas o online. É personalizável, em função dos produtos e serviços pretendidos, tendo uma opção mais simples – a Ready – e outra mais completa – a Start”, avança o Santander Totta.

CMVM avança com cinco processos de contraordenação contra auditoras e CGD

O regulador aplicou quatro processos por violação de deveres de atuação dos auditores e outro à Caixa Geral de Depósitos por violação de deveres dos intermediários financeiros. Foi aplicada uma coima de 25 mil euros ao banco, suspensa integralmente por dois anos.

BCP emite 133,7 milhões de euros a 8,75% para trocar por títulos que venciam em 2027

Depois de ter anunciado que não ia usar a opção de reembolso antecipado de uma linha de dívida com maturidade em 2027, o banco recebeu ofertas de 133,7 milhões de euros e vai emitir a 5 de dezembro essas obrigações a 10 anos, e com juro de 8,75% nos primeiros cinco.
Comentários