CGTP promove amanhã manifestação em “defesa e reforço” do SNS

No dia em que se assinala os 43 anos do SNS, a União dos Sindicatos de Lisboa irá realizar um conjunto de ações, inseridas no âmbito da campanha promovida pela CGTP-IN sob o lema “defender e reforçar o SNS público, gratuito e universal”, que culminarão com a realização de uma manifestação, nesta terça-feira, 15 de setembro, do Saldanha para o Ministério da Saúde.

No dia em que se assinala os 43 anos do SNS, a União dos Sindicatos de Lisboa irá realizar um conjunto de ações, inseridas no âmbito da campanha promovida pela CGTP-IN sob o lema “defender e reforçar o SNS público, gratuito e universal”, que culminarão amanhã com a realização de uma manifestação, do Saldanha para o Ministério da Saúde. Na lista das reivindicações está a valorização das carreiras e remuneração e contratação de mais profissionais de saúde, sem recurso ao trabalho precário.

A União dos Sindicatos de Lisboa salienta hoje, em comunicado, que “a situação em que se encontra o nosso Serviço Nacional de Saúde é grave”, acrescentado que Portugal é um dos países da UE onde a despesa corrente em saúde suportada pelas famílias é a mais elevada.

“A população cada vez tem mais dificuldade no acesso aos serviços públicos de saúde”, frisa, dando conta da “degradação” das condições de trabalho (a precariedade, a não valorização das carreiras, as remunerações, os elevados ritmos de trabalho) dos profissionais de saúde, a que o governo, diz, “teima em não dar resposta” e contribuem para “a degradação do SNS e para a promoção do negócio privado da saúde em Portugal”.

Para a União dos Sindicatos de Lisboa, o SNS tem um papel “fundamental” na redução das desigualdades e é “insubstituível”, na melhoria da qualidade de vida da população.

“É neste contexto que a USL/ CGTP-IN e a plataforma decidiram realizar esta ação de luta, exigindo a defesa e reforço do SNS público, universal e gratuito”, afirma a estrutura sindical.

A CGTP tem destacado o aumento do número de utentes sem equipa de saúde familiar, mais acentuado na Região de Lisboa e Vale do Tejo, onde, diz, cerca de 24% dos inscritos nos Centros de Saúde continuam sem médico de família. E a possibilidade de encerramento dos Hospitais de São José, Sto. António dos Capuchos, Curry Cabral, Sta. Marta, Estefânia e Maternidade Alfredo da Costa, com a construção do Hospital de Lisboa Oriental.

Na lista das reivindicações está a valorização das carreiras e remuneração e contratação de mais profissionais de saúde, sem recurso ao trabalho precário. E também o desenvolvimento dos cuidados de saúde primários, com a promoção da saúde e a prevenção da doença, da saúde mental, reabilitação, cuidados continuados, paliativos e domiciliários, abrindo mais especialidades médicas e o direito a cada utente ter médico e enfermeiro de família.

A CGTP defende ainda estar contra o encerramento de hospitais e pela abertura dos hospitais de Lisboa Oriental e Sintra (mais valências e mais camas).

 

Recomendadas

João Cotrim de Figueiredo no regresso do Clube dos Pensadores

Líder do Iniciativa Liberal está no Porto para o regresso do Clube dos Pensadores, um grupo de debate enraizado na sociedade civil por onde já passaram quase todos os líderes políticos nacionais.

Ministro da Saúde quer reinício das negociações com sindicatos ainda em outubro

O ministro da Saúde, Manuel Pizarro, disse hoje em Coimbra que o regresso às negociações com os sindicatos dos médicos e enfermeiros “de outubro não passará”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.
Comentários