Chefe de segurança da Rússia inicia visita de dois dias à China

Nikolai Patrushev, considerado o segundo homem mais poderoso da Federação Russa, participará na 17.ª ronda de consultas de segurança estratégica da China e na 7.ª reunião da cooperação China-Rússia em matéria de segurança.

1 – China

O secretário do Conselho de Segurança russo, Nikolai Patrushev, viaja este domingo para a China, onde realizará consultas e reuniões de segurança durante os próximos dois dias, de acordo o Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, citado pela “Reuters”.

Segundo a “Reuters”, aquele que é visto como o segundo homem mais poderoso da Federação Russa participará na 17.ª ronda de consultas de segurança estratégica da China e na 7ª reunião da cooperação China-Rússia em matéria de segurança.

As reuniões decorrem poucos dias depois de o Presidente chinês Xi Jinping e do seu homólogo russo Vladimir Putin terem estado reunidos no Uzbequistão, naquela que foi a primeira viagem do presidente russo desde o início da guerra da Ucrânia.

A China absteve-se de condenar a operação da Rússia contra a Ucrânia ou de lhe chamar uma “invasão” na linha do Kremlin, que lança a guerra como “uma operação militar especial”.

Recomendadas

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Prémio Nobel da Química para 3 cientistas responsáveis química ‘bioorthogonal’

O termo química ‘bioorthogonal’ refere-se a qualquer reação química que pode ocorrer dentro de sistemas vivos sem interferir nos processos bioquímicos nativos. O termo foi cunhado por Carolyn R. Bertozzi em 2003.

Japão pede à ONU que mostre firmeza após teste de míssil norte-coreano

“Nós acreditamos que a Coreia do Norte poderia realizar atos mais provocativos, como um teste nuclear”, afirmou o porta-voz do Governo japonês, Hirokazu Matsuno, numa conferência de imprensa.
Comentários