Chefe militar da Índia entre 13 mortos em acidente de helicóptero

O motivo do acidente não é ainda conhecido.

Mumbai, Índia

A Força Aérea da Índia confirmou esta quarta-feira, 8 de dezembro, a morte do chefe militar do país, general Bipin Rawat, da mulher e de outras onze pessoas num acidente de helicóptero no sul do país, ao qual diz ter sobrevivido um oficial.

Num ‘tweet’, a Força Aérea informa que o helicóptero “sofreu um trágico acidente” e que o capitão do grupo, Varun Singh, sobreviveu ao acidente e está a receber tratamento num hospital militar.

A emissora pública do país Prasar Bharati divulgou que o helicóptero Mi-17V5 estava a caminho de uma base da força aérea para serviços de defesa do exército quando se despenhou perto da cidade de Coonoor, uma estação montanhosa em Tamil Nadu.

O motivo do acidente não é ainda conhecido.

O acidente ocorreu numa área arborizada e, segundo fontes militares que pediram anonimato, citadas pela ANI, duas pessoas terão sido levadas para o hospital com queimaduras.

A televisão NDTV de Nova Deli mostrou imagens da área do acidente, de restos carbonizados da aeronave e pessoas em redor do local do acidente a tentar apagar o fogo.

Rawat assumiu o cargo em dezembro de 2016, no meio de uma onda de tensão com o vizinho Paquistão, após uma ação de insurgentes paquistaneses que matou 19 soldados indianos, a que Nova Deli respondeu com ataques “cirúrgicos” na fronteira e com uma campanha diplomática contra Islamabad.

Os acidentes com aeronaves militares são frequentes na Índia.

Em 2019, um piloto militar indiano foi morto e outros dois ficaram feridos após uma colisão entre o avião de acrobacias que pilotavam e outra aeronave durante exercícios na cidade de Bangalore, no sul da Índia.

Em outubro de 2017 pelo menos cinco membros da Força Aérea Indiana morreram após um helicóptero ‘M-17’ ter-se despenhado em Arunachal Pradesh, no nordeste.

Em dezembro de 2015, dez membros do corpo de fronteira morreram em um acidente de aviação em Nova Deli.

Recomendadas

Guterres condena “veementemente” golpe de Estado no Burkina Faso

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou este sábado “veementemente”, num comunicado, “qualquer tentativa de tomada do poder pela força das armas” no Burkina Faso, um dia após um novo golpe de Estado no país, o segundo em oito meses.

Manifestantes denunciaram repressão violenta sobre ativistas no Irão

Milhares de manifestantes em várias universidades iranianas e em vários países protestaram este sábado contra a repressão sobre movimentos de protesto pela morte de Mahsa Amini, a jovem acusada de violar o código de indumentária da República Islâmica.

Bolsonaro agradece apoio de líderes europeus de extrema-direita, entre eles André Ventura

O presidente Jair Bolsonaro, que pretende ser reeleito no domingo, agradeceu este sábado as mensagens de apoio que recebeu de líderes da extrema-direita da Europa, como o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, ou o líder do Chega, André Ventura.
Comentários