Chefes de Estado de Portugal e Austrália nas comemorações dos 20 anos da independência de Timor-Leste

O Presidente da República português, Marcelo Rebelo de Sousa, e o governador-geral australiano, David Hurley, já confirmaram a participação nas cerimónias dos 20 anos da restauração da independência em Timor-Leste.

O Presidente da República português, Marcelo Rebelo de Sousa, e o governador-geral australiano, David Hurley, já confirmaram a participação nas cerimónias dos 20 anos da restauração da independência em Timor-Leste.

“Estão confirmadas as presenças do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa e do governador-geral australiano”, disse hoje à Lusa a ministra dos Negócios Estrangeiros timorense, Adaljiza Magno.

Marcelo Rebelo de Sousa é esperado em Díli na manhã de 19 de maio, com um programa de visita que inclui a tomada de posse do seu homólogo José Ramos-Horta, na noite desse dia, e as comemorações dos 20 anos da restauração da independência.

O restante programa inclui, segundo a versão preliminar, uma visita à Escola Portuguesa e um encontro com a comunidade portuguesa a residir em Timor-Leste, entre outros.

David Hurley é o segundo governador-geral consecutivo com uma ligação a Timor-Leste, tendo sucedido ao general Peter Cosgrove, que liderou a força internacional Interfet, enviada para o país a 20 de setembro de 1999, na sequência da violência após o referendo de 30 de agosto de 1999.

Na altura brigadeiro, Hurley comandou a 1ª Brigada em Darwin, tendo sido responsável pela sua preparação para apoio às operações da Interfet em Timor-Leste.

Magno disse que ainda não há confirmação de quem virá representar a Indonésia, com fontes diplomáticas a sugerirem que o Presidente Joko Widodo poderia deslocar-se ao país “durante algumas horas”.

A chefe da diplomacia disse que está igualmente confirmada a visita do primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Nuno Gomes Nabiam, eventualmente acompanhado por outros membros do executivo.

De Singapura e em representação do primeiro-ministro deverá deslocar-se a Díli o ministro dos Negócios Estrangeiros Vivian Balakrishnan, e da Nova Zelândia é esperado Phil Twyford, ministro de Desarmamento e Controlo de Armas.

Também prevista está a visita de Francis Mustapha Kai-Kai, atual ministro do Planeamento e Desenvolvimento Económico da Serra Leoa e que estará no país como responsável do G7+, grupo de países considerados frágeis.

“Possivelmente haverá mais representantes de outros países, mas teremos ainda que aguardar mais alguns dias para ter a lista final”, explicou Magno.

“O Governo está a organizar para pagar 150 quartos a hotéis em Díli, para facilitar os convidados, que deverão começar a chegar a Timor-Leste a partir de 18 de maio”, notou.

Recomendadas

NATO: Suécia nega estar a fornecer ajuda financeira e militar aos curdos

“A cooperação no nordeste da Síria é realizada principalmente por meio das Nações Unidas e de organizações internacionais”, disse a ministra dos Negócios Estrangeiros sueca, Ann Linde, ao jornal “Aftonbladet”.

Ocidente deve ser mais brando com a Rússia e a Ucrânia deve ceder, defende Kissinger

Segundo o ex-secretário de Estado dos EUA, os líderes europeus não devem perder de vista o relacionamento de longo prazo com a Rússia, nem devem arriscar empurrá-la para uma aliança permanente com a China. O antigo campeão de xadrez Garry Kasparov disse que essa posição, para além de imoral, foi provada errada repetidamente.

Sondagem revela que economia é mais importante do que punir a Rússia

Enquanto que eu março a maioria defendia que se devia dar prioridade às sanções à Rússia, agora 51% defende que se deveria limitar os danos à economia dos EUA.
Comentários